Voltar ao Início

Você está em:

Tim Scott desiste de tentar concorrer à presidência

A saída de Scott pode proporcionar um impulso modesto para outros candidatos que tentam desalojar Trump do primeiro lugar
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O senador republicano Tim Scott entrou na disputa presidencial para as eleições de 2024, de acordo com um documento enviado ao regulador eleitoral dos Estados Unidos nesta sexta-feira (19).

Ele é o único republicano negro no Senado norte-americano e costuma usar sua história pessoal - homem pobre e filho de mãe solteira - como prova de que os EUA continuam sendo uma terra promissora.

Na campanha, sua disposição otimista apresenta um grande contraste com outros candidatos declarados e potenciais, incluindo o ex-presidente Donald Trump e o governador da Flórida, Ron DeSantis, que retratam os EUA como um país em declínio que precisa ser resgatado de uma elite esquerdista corrupta.

Como um conservador negro, Scott é uma raridade em um país onde a política é fortemente dividida em linhas raciais. Cerca de 92% dos eleitores negros apoiaram o democrata Joe Biden nas eleições presidenciais de 2020, enquanto 55% dos eleitores brancos apoiaram Trump.

Scott costumava criticar Trump quando ele era presidente por fazer comentários racialmente insensíveis e bloqueou vários de seus indicados judiciais por esse motivo também. Ao mesmo tempo, o senador da Carolina do Sul acusou os democratas de explorar as tensões raciais para ganhos partidários.

Scott entra na disputa, mas sem força
Cerca de 2% dos republicanos planejam votar em Scott nas etapas primárias das eleições dos EUA, segundo pesquisas eleitorais locais. Mais da metade dos republicanos planeja votar em Trump e cerca de um quinto é a favor de DeSantis - que deve entrar na disputa nos próximos dias.

Ainda assim, as chances de Scott podem ser maiores do que parecem no papel.

Ele é bem conhecido e querido em seu estado natal, a Carolina do Sul, que desempenha um papel crucial na disputa pela indicação republicana, pois é o terceiro estado a votar.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese