Voltar ao Início

Você está em:

Trauma dos japoneses nos ensina sobre uso de bombas

Hiroshima foi devastada pela bomba e estima-se que cerca de 40% de seus 350 mil habitantes morreram, muitos incinerados
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Todos os dias, às 8h15 da manhã em ponto, um relógio toca no alto de uma torre de aço no Parque Memorial da Paz de Hiroshima, no Japão. O som é um lembrete da hora exata em que caiu na cidade a "Little Boy", a primeira bomba atômica da história, lançada pelos Estados Unidos no dia 6 de agosto de 1945, no fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).
Hiroshima foi devastada pela bomba e estima-se que cerca de 40% de seus 350 mil habitantes morreram, muitos incinerados instantaneamente. Hoje, a cidade preserva diversos marcos de memória do bombardeio, como a emblemática cúpula do único edifício no entorno que resistiu à explosão nuclear.
Foi na frente dessas ruínas que ativistas antinucleares, pacifistas e sobreviventes da bomba atômica se reuniram para protestar contra a guerra na Ucrânia nos últimos dias.

Na noite de 8 de março, cerca de 100 manifestantes fizeram uma vigília, organizada pela ONG Aliança de Hiroshima para a Abolição das Armas Nucleares, acenderam 1,3 mil velas e as dispuseram no chão para compor as palavras "não à guerra", "não às armas nucleares", em inglês e em russo. "No war, no nukes, het boñhe", dizia no megafone um dos participantes.

Atos simbólicos
Dias antes, o memorial às margens do Rio Motoyasu também foi ponto de encontro para um pequeno protesto de europeus radicados no Japão, entre eles ucranianos e bielorrussos. Desde a invasão russa à Ucrânia, iniciada no dia 24 de fevereiro, manifestações contra a guerra vêm ocorrendo em cidades como Hiroshima e Nagasaki, além de metrópoles como Tóquio, Quioto e Nagoya. Não foram marchas gigantescas como as vistas na Europa e nos Estados Unidos, mas atos simbólicos.
Em Nagasaki, que foi o alvo da segunda bomba atômica norte-americana, cerca de 40 ativistas se reuniram no Parque da Paz e fizeram minutos de silêncio a partir das 11:02, a hora exata da explosão de 9 de agosto de 1945, que destruiu a cidade e provocou mais de 70 mil mortes.

Posts Relacionados

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Peixes gordos, oleaginosas, frutas e vegetais escuros contêm propriedades importantes para o nosso cérebro

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Sites locais falam ainda de um soldado egípcio morto. Exército de Israel confirma que houve um "incidente" na fronteira

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Terminou oficialmente na segunda-feira (20) o mandato do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Apesar disso, ele seguirá como chefe do Executivo do país. Em guerra

Putin nega planos de invadir Kharkiv, na Ucrânia

Putin nega planos de invadir Kharkiv, na Ucrânia

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta sexta-feira (17) que invadir e conquistar Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia e onde suas tropas têm

pt_BRPortuguese