Voltar ao Início

Você está em:

Ucrânia denuncia atrocidades cometidas pela Rússia

Entre os casos estão situações de sequestro, estupro e execuções desde o início do conflito, em 24 de fevereiro
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

A Ucrânia e seus aliados denunciaram nesta quinta-feira (12) uma "lista interminável" de atrocidades cometidas pela Rússia desde a sua invasão em 24 de fevereiro, em uma sessão extraordinária do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, que foi boicotada por Moscou.
Na reunião convocada a pedido da Ucrânia, os 47 países-membros do Conselho devem se pronunciar sobre um projeto de resolução que pede uma "investigação" pela comissão internacional da ONU sobre as graves violações de direitos humanos atribuídas às tropas durante a ocupação russa.

De acordo com o texto, os abusos foram cometidos nas áreas próximas a Kiev, em Chernihiv, Kharkiv e em Sumy entre o final de fevereiro e março de 2022 e a resolução busca "pedir que os responsáveis sejam responsabilizados".
"Milhares de pessoas do meu país perderam a vida. Os bombardeios e tiros russos fazem parte de nossa vida diária", declarou a primeira vice-ministra das Relações Exteriores da Ucrânia, Emine Dzhaparova, na abertura da sessão, em um discurso por videoconferência.

A representante denunciou atos de tortura, desaparecimentos forçados, violência sexual e de gênero.
"A lista de crimes russos é interminável", denunciou antes de mostrar um desenho feito por uma criança que foi estuprada na frente de sua mãe.

Durante as discussões, muitos diplomatas aliados de Kiev, mas também funcionários da ONU, expressaram sua indignação com o sofrimento dos ucranianos.
"A agressão russa envolve a descoberta de fatos cada vez mais macabros a cada dia", disse o embaixador francês, Jérôme Bonnafont. Seu colega britânico denunciou a "campanha brutal" de Moscou.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet indicou que seu gabinete continua verificando as acusações.
"A extensão das execuções ilegais, incluindo os indícios de execuções sumárias nas áreas do norte de Kiev é chocante", declarou, especificando que até agora tem informações sobre 300 casos.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese