Voltar ao Início

Você está em:

Ucranianos deportados da Rússia denunciam tortura

Homem alega que foi capturado e levado para a fronteira, onde foi vendado e espancado com uso até de armas de eletrochoque
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Três semanas se passaram desde a libertação do ucraniano Volodymyr Khropun e ele está visivelmente abalado pelo trauma que sofreu. Voluntário da Cruz Vermelha, ele foi capturado por forças russas e deportado para a Rússia.

Em 18 de março, Volodymyr estava dirigindo um ônibus escolar rumo ao vilarejo de Kozarovychi, cerca de 40 km a noroeste de Kiev, para evacuar alguns civis que estavam presos ali em meio aos combates. Quando tentou convencer os soldados russos a deixá-lo passar pelo posto de controle, acabou detido.

Nos primeiros dias, foi mantido no porão de uma fábrica de um vilarejo próximo, junto com outros civis — 40 pessoas em uma sala de 28 m².
"Fomos espancados com espingardas, socados e chutados. Eles me vendaram e amarraram minhas mãos com fita adesiva. Usaram armas de eletrochoque e continuaram pedindo informações sobre os militares", diz Volodymyr.
"Um dos soldados era muito jovem, quase uma criança. Ele usava armas de eletrochoque no pescoço, rosto, joelhos das pessoas. Era como se ele estivesse se divertindo."

Depois de quase uma semana detidos na Ucrânia, os detidos foram transportados para Belarus.
"Eles pensaram que não podíamos ver, mas eu vi as aldeias pelas quais estávamos passando, Ivankiv, Chernobyl e depois vi que cruzamos a fronteira", conta.

Em Belarus, os detidos receberam um documento de identidade, emitido pelos militares da Federação Russa e que descrevia o local de nascimento de Volodymyr como a "República Socialista Soviética da Ucrânia". Era esse o nome oficial da Ucrânia antes da dissolução da União Soviética em 1991, portanto, antes de se tornar um país independente — um sinal claro das ambições da Rússia na região.

De Belarus, diz Volodymyr, o grupo foi levado para uma prisão na Rússia.
"A tortura continuou. Eles nos humilharam, nos fizeram ajoelhar e nos forçaram a ficar em posições desconfortáveis. Se olhássemos nos olhos deles, éramos espancados. Se fizéssemos algo devagar, éramos espancados. Eles nos tratavam como animais", diz ele.

Posts Relacionados

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Peixes gordos, oleaginosas, frutas e vegetais escuros contêm propriedades importantes para o nosso cérebro

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Sites locais falam ainda de um soldado egípcio morto. Exército de Israel confirma que houve um "incidente" na fronteira

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Terminou oficialmente na segunda-feira (20) o mandato do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Apesar disso, ele seguirá como chefe do Executivo do país. Em guerra

pt_BRPortuguese