Voltar ao Início

Você está em:

Israel aceita fazer ‘pausas’ militares de 4 horas por dia

As pausas, que serão anunciadas com três horas de antecedência, surgiram de discussões entre autoridades dos EUA e de Israel
Amanda Omura

Amanda Omura

Israel aceitou realizar pausas 'militares' de quatro horas por dia no norte de Gaza para permitir que as pessoas fujam das hostilidades, disse a Casa Branca nesta quinta-feira (8).

“Os israelenses nos disseram que não haverá operações militares nestas áreas durante a pausa e que este processo começa hoje”, disse John Kirby porta-voz da Casa Branca.

As pausas, que serão anunciadas com três horas de antecedência, surgiram de discussões entre autoridades dos EUA e de Israel nos últimos dias, incluindo conversas que o presidente dos EUA, Joe Biden, teve com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acrescentou Kirby.

Kirby considerou a notícia um "passo na direção certa".

“Achamos que estes são primeiros passos significativos aqui e obviamente queremos que continuem enquanto forem necessários”, acrescentou.

Israel destacou que as pausas não significam o fim do conflito com o Hamas.
"Não há cessar-fogo, repito, não há cessar-fogo. O que estamos fazendo, essa janela de quatro horas, são pausas táticas e locais para ajuda humanitária", disse o porta-voz do Exército, tenente-coronel Richard Hecht.

Outras negociações
Também segundo a Casa Branca, Biden está pressionando Netanyahu a fazer pausas humanitárias e pediu "uma pausa de mais de três dias" no conflito.

Em Doha, os chefes da CIA e da agência de inteligência Mossad de Israel reuniram-se com o primeiro-ministro do Catar para discutir um possível acordo sobre os reféns, disse uma autoridade dos EUA à Reuters, falando sob condição de anonimato. O Catar serviu como mediador com o Hamas no passado.

O diretor da CIA, Bill Burns, e o chefe do Mossad, David Barnea, estão em Doha "para negociações trilaterais com os catarianos" e trabalham nos "detalhes de uma possível pausa humanitária, que envolveria a libertação dos reféns e a entrada de mais ajuda a Gaza", disse uma fonte à AFP, sob condição do anonimato. "Nos últimos dias, as negociações avançaram em direção a um acordo.".

Posts Relacionados

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Israel combate o Hamas e o Hezbollah, aliados do Irã, que apoia também os Houthis, grupo rebelde do Iêmen que ataca navios

pt_BRPortuguese