Voltar ao Início

Você está em:

Israel x Hamas: o que acontecerá após trégua?

Na corda bamba para manter o cargo de premiê, Netanyahu alterna prioridades, indicando que vai prolongar a guerra a qualquer custo
Amanda Omura

Amanda Omura

O cessar-fogo entre Israel e Hamas começou a vigorar e será renovado conforme os reféns mantidos em Gaza forem libertados, indicando que, para o governo comandado pelo premiê israelense, Benjamin Netanyahu, os 240 sequestrados passaram a ser a prioridade.

Fica a pergunta: Qual será a sua estratégia depois que o primeiro grupo de 50 de mulheres e crianças voltar a Israel?
O ministro da Defesa, Yoav Gallant, foi taxativo: os combates intensos continuarão por pelo menos dois meses após a trégua.

Para Netanyahu, quanto mais tempo durar a guerra em Gaza, maiores serão as chances de assegurar uma sobrevida política e postergar o clamor interno pelas investigações sobre as falhas de segurança que levaram ao massacre do Hamas em 7 de outubro.

A retomada dos combates retarda também o julgamento do premiê israelense, acusado em três processos por corrupção e abuso de poder. “Se depender de Netanyahu, a guerra não terminará nunca”, atesta o colunista Uri Misgav, do jornal “Haaretz”.

A libertação de reféns parece não combinar com a continuação da guerra. A pausa de quatro dias dá ao Hamas tempo para se reorganizar e combustível para exigir mais nas negociações para libertar os 190 que permanecerão no território palestino. Como consequência, aumentará a pressão das famílias sobre Netanyahu.

O chefe do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, já deu provas aos israelenses de não ser um interlocutor confiável e tentará ganhar tempo e adiar a retomada dos combates, sob o pretexto de localizar os reféns, que segundo o grupo estão distribuídos por outras facções.

Nos 23 anos em que esteve preso em Israel, por tentativa de homicídio e sabotagem, ele aprendeu hebraico e estudou minuciosamente o inimigo. Sinwar retornou a Gaza em 2011, libertado na troca de mil prisioneiros pelo soldado israelense Gilad Shalid. Seis anos depois, foi eleito para chefiar o território e permanece indefinidamente no cargo.

Posts Relacionados

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Israel combate o Hamas e o Hezbollah, aliados do Irã, que apoia também os Houthis, grupo rebelde do Iêmen que ataca navios

pt_BRPortuguese