Voltar ao Início

Você está em:

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador
Amanda Omura

Amanda Omura

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversou por telefone, na manhã desta terça-feira (23), com o presidente do Equador, Daniel Noboa.

Segundo o Palácio do Planalto, Lula "indicou a disposição do Brasil em ajudar o Equador, inclusive por meio de ações de cooperação em inteligência e segurança", em meio à crise que o país enfrenta no combate ao crime organizado e ao narcotráfico, desde o início do ano.

Durante a ligação, que ocorreu no Palácio da Alvorada, Lula estava acompanhado do ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira.

A crise de segurança no país tem sido alvo frequente de discussões pelo governo brasileiro. Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador.

Um brasileiro chegou a ser sequestrado em Guayaquil, no início do ano. Thiago Allan de Freitas foi liberado no dia 10 de janeiro, após 31 horas em poder dos criminosos.

Segundo o Planalto, Lula e Noboa "concordaram que os países sul-americanos devem estar unidos no combate ao crime organizado", e "que o fortalecimento da integração regional é condição fundamental para a superação do problema".

Crise no Equador
Os problemas mais graves começaram quando as autoridades do país se deram conta que Fito, um líder da facção Los Choneros, havia fugido de uma prisão. Nos dias que se seguiram, mais criminosos fugiram de presídios e ataques passaram a ser cometidos pelo país.

Em um deles, homens armados e com os rostos escondidos invadiram os estúdios do canal de TV estatal TC Televisión, da cidade de Guayaquil. Durante a invasão, eles afirmaram ter bombas, e sons semelhantes aos de disparos foram ouvidos.

Depois de cerca de duas horas, a Polícia Nacional do Equador controlou a situação e capturou as pessoas que invadiram os estúdios. Na semana passada, o promotor que investigava o ataque foi assassinado.

O presidente do Equador decretou "conflito armado interno" no país em meio à escalada de violência.

A medida autoriza a intervenção do Exército e da Polícia Nacional no país contra facções criminosas.

Posts Relacionados

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Ministro do STF diz ser preciso investigar se recursos públicos foram parar na ONG, que nega recebimento

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Presidente e governador participaram de cerimônia sobre construção de túnel entre Santos e Guarujá

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

A suspeita é de que assessores de Carlos Bolsonaro pediam informações para o ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

As Forças Armadas ganharam poder de polícia nos aeroportos, e nos portos a Marinha passou a monitorar os acessos

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

De acordo com a Controladoria, os resultados serão encaminhados às autoridades do estado e do município de São Paulo

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Suspensão da regra que desonerava líderes religiosos abriu novo capítulo de desgaste com equipe econômica

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

Como Brasil preside grupo de países, debates serão coordenados pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves

pt_BRPortuguese