Voltar ao Início

Você está em:

Lula diz que Brasil convidará Putin para reunião do G20 no Rio, em 2024

Tribunal Penal Internacional emitiu ordem de prisão contra Putin em março de 2022 em razão da invasão na Ucrânia
Amanda Omura

Amanda Omura

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta segunda-feira (4) que o presidente russo, Vladimir Putin, será convidado para a reunião de cúpula do G20 no Brasil, em 2024. E que caberá a Putin decidir se viajará ou não para os encontros.

Putin é alvo de um mandado de prisão expedido em março de 2022 pelo Tribunal Penal Internacional. A Rússia não é signatária do estatuto da Corte, mas o Brasil, sim. Por isso, o presidente russo poderia ser detido ao desembarcar em território brasileiro.

"Se o Putin vai ou não, ele vai ser convidado. Ele tem um processo, ele tem que aferir as consequências. Não sou eu que posso dizer", disse Lula ao ser questionado em um pronunciamento na Alemanha, onde cumpre agenda oficial.
"É uma decisão judicial. Um presidente da República não julga as decisões judiciais, ele cumpre ou não cumpre. O Putin está convidado para o G20 no Brasil, para os Brics no Brasil. E se ele comparecer, ele sabe o que vai acontecer, pode acontecer ou pode não acontecer", prosseguiu.

"Ele não faz parte desse tribunal [Penal Internacional]. Ele não é assinante desse tribunal, os Estados Unidos também não são. Como o Brasil é signatário, o Brasil tem responsabilidade", concluiu.

Apesar de Lula ter citado os Brics na declaração, a reunião de cúpula do grupo em 2024 deve ocorrer na própria Rússia, na cidade de Kazan. O Brasil sediaria o encontro, mas isso não acontecerá porque o país também será o presidente do G20 no mesmo ano.

Em setembro, Lula chegou a afirmar que Putin poderá viajar ao Brasil com a tranquilidade de que não seria preso. Depois, modulou o discurso e afirmou que a decisão caberia à Justiça brasileira.

Mandado de prisão
Em março de 2022, juízes do Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia emitiram mandados de prisão contra Putin e contra a Comissária para os Direitos da Criança da Rússia, Alekseyevna Lvova-Belova, por crimes de guerra em áreas ocupadas na Ucrânia.

A Câmara de Pré-Julgamento II do TPI considerou que os dois acusados são responsáveis pelo crime de guerra de deportação ilegal de crianças de áreas ocupadas da Ucrânia para a Rússia, segundo comunicado do TPI.

Posts Relacionados

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Presidente e governador participaram de cerimônia sobre construção de túnel entre Santos e Guarujá

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

A suspeita é de que assessores de Carlos Bolsonaro pediam informações para o ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

As Forças Armadas ganharam poder de polícia nos aeroportos, e nos portos a Marinha passou a monitorar os acessos

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

De acordo com a Controladoria, os resultados serão encaminhados às autoridades do estado e do município de São Paulo

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Suspensão da regra que desonerava líderes religiosos abriu novo capítulo de desgaste com equipe econômica

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

Como Brasil preside grupo de países, debates serão coordenados pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves

Ministro Lewandowski começa a montar equipe na próxima semana

Ministro Lewandowski começa a montar equipe na próxima semana

Ana Maria Alvarenga Mamede Neves trabalha com o novo ministro desde 2010 e já foi chefe de gabinete de Lewandowski

pt_BRPortuguese