Voltar ao Início

Você está em:

Manifestantes fazem protesto por tratamentos fora da ANS nos planos de saúde

Usuários de planos de saúde fizeram nessa quarta-feira (23) um protesto na Avenida Paulista, no Centro de São Paulo
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Usuários de planos de saúde fizeram nessa quarta-feira (23) um protesto na Avenida Paulista, no Centro de São Paulo, em favor da manutenção do atual entendimento dos tribunais sobre a obrigação das operadoras de saúde em oferecer tratamentos para doenças fora da lista da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) marcou justamente para quarta (23) a retomada do julgamento sobre as coberturas dos planos de saúde que terá grande impacto nos usuários, podendo afetar a vida de quem faz acompanhamento médico contra o câncer ou usa terapias para o autismo, por exemplo. O tribunal vai decidir se os planos de saúde só precisam cobrir as doenças previstas na lista da ANS (até o fechamento desta edição o tribunal não havia divulgado as decisões).
O ato na Avenida Paulista contou com usuários de vários planos e aposentados e aconteceu no vão livre do Masp. Os manifestantes portavam cartazes pedindo compreensão e sensibilidade do Poder Judiciário com os pacientes dos planos de saúde.

Famílias podem ficar sem cobertura
Atualmente, a lista da ANS inclui mais de 3.300 procedimentos no rol de cobertura. Há 20 anos, a Justiça entende que essa lista determina o mínimo que um plano de saúde precisa oferecer aos clientes. E o que está de fora pode ser questionado nos tribunais. É o caso da Isabela, de 5 anos.
“Os médicos dizem que pode haver uma regressão no desenvolvimento da criança. Então, por isso que tantas mães, tantas crianças estão desesperadas. Porque a gente sabe que se parar o tratamento, a chance da criança regredir é muito grande. É cansativo, são muitas horas na semana, mas a gente quer dar esse direito para os nossos filhos”, diz a mãe da menina, Cynthia Melegaro Pires.

Se a decisão do STJ for favorável aos planos, até as ações na Justiça, que garantem os tratamentos fora da lista podem ser prejudicados. Para o advogado Rafael Robba, especialista em saúde, a fixação dos procedimentos pode pressionar ainda mais a rede pública.
“São procedimentos que não podem ser tratados como procedimentos experimentais. isso certamente vai fazer com que os tratamentos tenham restrições e em muitos casos, esses usuários podem buscar esses tratamentos no próprio sus. O que deve gerar inclusive uma sobrecarga no sistema público de saúde”, disse o advogado.

Posts Relacionados

INSS alerta que salário-maternidade pode ser pedido gratuitamente e sem intermediários

INSS alerta que salário-maternidade pode ser pedido gratuitamente e sem intermediários

Solicitação pode ser feita pela própria trabalhadora pelo site do governo ou pelo aplicativo Meu INSS

Desmatamento tem queda de 40% na Amazônia, mas está em alta no Cerrado

Desmatamento tem queda de 40% na Amazônia, mas está em alta no Cerrado

Redução do desmatamento na Amazônia no primeiro trimestre é de 40% neste ano em comparação com o ano passado

Poder Público deve indenizar famílias de vítimas de tiroteios em operações policiais

Poder Público deve indenizar famílias de vítimas de tiroteios em operações policiais

Indenização não será devida se governos conseguirem provar que não houve participação de agentes de segurança em mortes

Brasil chega a 575 mil médicos ativos, vê número de mulheres aumentar e desigualdade persistir

Brasil chega a 575 mil médicos ativos, vê número de mulheres aumentar e desigualdade persistir

Dados mostram desigualdade na distribuição e fixação de profissionais, com menos médicos no interior e em cidades pequenas

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Ministério da Agricultura reconheceu que unidades federativas estão livres da doença

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Estudo coletou amostras de cabelo de 287 indígenas do subgrupo Ninam, e apontou que todos eles vivem sob exposição

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Grupo foi perseguido, torturado e expulso de suas terras – crimes reconhecidos pela Comissão Nacional da Verdade

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

No Brasil, segundo Ministério da Saúde, 13 milhões de pessoas sofrem com alguma condição rara

pt_BRPortuguese