Voltar ao Início

Você está em:

Marielle: ministros e deputados cobram apuração e criticam falta de desfecho do caso

Anielle Franco, Silvio Almeida e Sônia Guajajara participaram da sessão, que foi presidida pela deputada Erika Hilton
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Ministros e parlamentares participaram nesta quarta-feira (15) de uma sessão no plenário da Câmara em homenagem à vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, assassinada há cinco anos.

A sessão foi presidida por Erika Hilton (PSOL-SP), uma das primeiras deputadas federais trans no país.

A execução de Marielle completou meia década sem resposta nesta terça-feira (14). Ela foi morta a tiros na região central do Rio no dia 14 de março de 2018. O motorista do veículo, Anderson Pedro Gomes, também foi baleado e morreu.

Entre os presentes na sessão da Câmara, estavam a irmã de Marielle e ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, além dos ministros dos Direitos Humanos, Silvio Almeida, e dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara.

Nos discursos, ministros e parlamentares cobraram apuração do crime, que até hoje segue sem respostas sobre o mandante.

"Os nossos corpos por estarem aqui hoje, todos os corpos pretos, todos os corpos de mulheres negras aqui presente, por estarem vivas já é um ato político", disse Anielle.
"Enquanto a gente não responder quem mandou matar a Mari, a gente segue com essa democracia fragilizada. E eu realmente espero que a gente não tenha que ficar mais cinco anos para esperar alguma resposta dos mandantes", acrescentou.

O ministro Silvio Almeida reforçou que o governo tem o compromisso de desvendar o crime e punir os mandantes do assassinato.
"Não existe possibilidade de o Brasil superar a desigualdade e o autoritarismo, avançar para uma sociedade verdadeiramente democrática e superar o racismo se nós não nos comprometermos enquanto sociedade com a elucidação do assassinato de Marielle Franco."

A ministra Sônia Guajajara disse que a luta pelos direitos humanos vai exigir justiça para que se descubra quem mandou matar Marielle.
"Toda essa violência, esses assassinatos, se eles seguem impunes, fortalecem cada vez mais a execução das nossas lideranças", disse. "Nós estamos aqui hoje para dizer que a favela quer viver, os quilombos querem viver, as aldeias querem viver. Nossa luta não é somente uma luta por direitos, é uma luta pela vida. É isso que deixa o legado por Marielle", declarou Sônia.

Posts Relacionados

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Governo quer influenciar posição da bancada religiosa no Congresso e apelar para governadores sobre risco de crises

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

A expectativa é que nessa linha de crédito as taxas de juros sejam a metade do que o Pronampe cobra

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

Orlando Silva tenta colocar projeto na pauta da Câmara, mas diz que tema polêmico e lobby das "big techs" atrapalham

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

Mecanismo tem sido chamado de 'SUS da Cultura' e promete facilitar o acesso aos financiamentos no segmento

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Com pagamento de aproximadamente R$ 20 bilhões, União terá direito a R$ 6 bilhões, valor que ajudará na meta fiscal

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Pacheco, presidente do Senado, declarou a perda de validade de trechos da MP editada pelo governo para elevar receitas

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Textos liberam garimpo em reservas, flexibilizam medidas contra incêndios e extinguem taxas que custeiam Ibama

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

Presidente francês passará por 4 cidades em 3 dias a partir da semana que vem; comitiva terá cerca de 140 empresários

pt_BRPortuguese