Voltar ao Início

Você está em:

Mourão defende subsidiar preço dos combustíveis por ‘três ou quatro meses’ para frear alta

Vice-presidente citou uso de royalties do pré-sal e dividendos da Petrobras para custear medida
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta quarta-feira (9) que considera a "melhor linha de ação" utilizar royalties e dividendos da Petrobras para subsidiar combustíveis durante três ou quatro meses a fim de conter uma escalada nos preços para o consumidor.

O governo discute uma série de alternativas para evitar que a alta do petróleo no mercado internacional, provocada pela invasão russa à Ucrânia, eleve o preço dos combustíveis nos postos. O valor nas bombas tem impacto direto na inflação e na popularidade do presidente Jair Bolsonaro.

Entre as alternativas avaliadas está utilizar royalties do pré-sal e os dividendos da Petrobras para custear esse subsídio.
"A melhor linha de ação, a linha de ação que causasse menos dano a posterior, seria usar os recursos de royalties e dividendos para dar um subsídio ao combustível e durante um período devidamente qualificado. Acho que isso daria uns R$ 13 bilhões, R$ 14 bilhões durante três ou quatro meses, até que essa situação do conflito amainasse e consequentemente o preço do petróleo voltasse a um nível mais adequado", disse Mourão.
Ainda na manhã desta quarta, o presidente Jair Bolsonaro deve se reunir com os ministros Ciro Nogueira (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia) e Bento Albuquerque (Minas e Energia), além do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

A pauta da reunião não foi divulgada, mas as autoridades devem focar em uma saída para evitar que as fortes altas no preço internacional do petróleo sejam repassadas integralmente pela Petrobras ao consumidor. A política de preços atual da estatal prevê que isso aconteça.

Debate no governo
O tema foi discutido durante reunião de ministros na terça-feira (8). A proposta permitiria o subsídio a partir de um gatilho de US$ 95 o barril de petróleo. Acima disso, o governo arcaria com R$ 300 milhões por ponto percentual de defasagem — na terça, o preço do barril alcançou quase US$ 130.

Posts Relacionados

Receita diz que vai barrar encomendas internacionais que tragam risco ao consumidor

Receita diz que vai barrar encomendas internacionais que tragam risco ao consumidor

Aparelhos eletrônicos, brinquedos, cosméticos, entre outros produtos que não se adequem às regras

El Niño x La Niña: mudança de fenômeno pode impactar a inflação no Brasil

El Niño x La Niña: mudança de fenômeno pode impactar a inflação no Brasil

Principal temor é que o fenômeno provoque longos períodos de seca, esvaziando reservatórios

Governo propõe a servidores aumentos em auxílio alimentação e benefícios

Governo propõe a servidores aumentos em auxílio alimentação e benefícios

Ministério da Gestão se reuniu com representantes do funcionalismo, mas não houve acordo

Reforma tributária: imposto sobre herança ou doação pode subir em 10 estados

Reforma tributária: imposto sobre herança ou doação pode subir em 10 estados

Texto prevê que imposto passe a ser progressivo em todo o país, com base no valor do patrimônio

Autuações da Receita Federal batem recorde e somam R$ 225 bilhões em 2023

Autuações da Receita Federal batem recorde e somam R$ 225 bilhões em 2023

Valor é 65% maior que o volume de autuações de 2022 e coincide com esforço por maior arrecadação

De olho na popularidade, Lula prepara obras do PAC com foco na população de baixa renda

De olho na popularidade, Lula prepara obras do PAC com foco na população de baixa renda

Governo quer aprovar medidas econômicas, como a criação de uma linha de crédito para CadÚnico

Supermercados propõe que sejam desonerados na cesta básica foie gras, bacalhau e trufas

Supermercados propõe que sejam desonerados na cesta básica foie gras, bacalhau e trufas

A discussão sobre quais produtos serão contemplados com quais benefícios ainda não foi feita

Governo estuda medidas para custear parte das tarifas e reduzir conta de luz dos consumidores

Governo estuda medidas para custear parte das tarifas e reduzir conta de luz dos consumidores

Segundo o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, três sugestões foram levantadas

pt_BRPortuguese