Voltar ao Início

Você está em:

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Os Estados Unidos optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza
Amanda Omura

Amanda Omura

Doze pessoas morreram afogadas no mar perto na Faixa de Gaza ao tentar pegar itens de ajuda humanitária que foram lançados de um avião, afirmaram autoridades de Saúde palestinas na terça-feira (26). O grupo terrorista Hamas controla as entidades de Saúde no território.
As Forças Armadas dos Estados Unidos, que são as responsáveis pela operação, afirmaram que 3 das 18 caixas que foram entregues via aérea tiveram problemas no paraquedas e caíram na água, mas não deram nenhuma informação sobre mortos.

Houve diversos incidentes com a entrega de itens de ajuda humanitária para as pessoas da Faixa de Gaza pela via aérea. No começo do mês de março, cinco pessoas morreram da mesma forma, de acordo com as autoridades de Saúde do território.

Os EUA optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza –Israel está em guerra com o grupo terrorista Hamas e controla a entrada dos veículos no território. De acordo com a agência Reuters, na Faixa de Gaza há pessoas comendo mato e misturando ração animal com o pão para comer.
As agências de ajuda humanitária afirmam que a quantidade de itens que está entrando na Faixa de Gaza é equivalente a cerca de um quinto do que é necessário.

As entregas aéreas não são suficientes, e é preciso levar itens por terra, por meio da fronteira com Israel ou com o Egito.
Um video da entrega aérea foi obtido pela agência de notícias Reuters. As imagens mostram uma multidão de pessoas correndo em direção à praia no norte da Faixa de Gaza. As caixas com paraquedas caíram no mar, e as pessoas vão até pontos de grande profundidade para tentar alcançá-las.

Problemas nas entregas aéreas
O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu para que Israel se comprometa com a entrada de itens de ajuda humanitária na Faixa de Gaza. Ele afirmou que a quantidade de caminhões parados na fronteira é moralmente indignante.

Israel afirma que não impõe limites a quantidade de itens de ajuda humanitária que entram no território palestino e afirma que a culpa dos problemas logísticos é das agências da ONU, que, de acordo com os israelenses, não são eficientes.

Posts Relacionados

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

A profundidade do terremoto, de acordo com a USGS, foi de 5 quilômetros abaixo da superfície -- uma profundidade considerada baixa

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Ele também afirmou que apoiar a Ucrânia é importante porque os russos estão recebendo ajuda para aumentar sua indústria de defesa

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

O primeiro-ministro de Israel é pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

A Guarda Revolucionária do Irã anunciou que sete de seus membros, entre eles três comandantes, morreram no bombardeio

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Os Estados Unidos optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza

Rússia e China vetam proposta dos EUA de cessar-fogo

Rússia e China vetam proposta dos EUA de cessar-fogo

Ao justificar seu voto, o embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, acusou os Estados Unidos de falsas promessas

Regime cubano tenta aplacar a ira da população

Regime cubano tenta aplacar a ira da população

As manifestações populares foram contidas pela repressão policial, em sincronia com o bloqueio imediato do serviço de internet

O que esperar do triunfo eleitoral de Putin?

O que esperar do triunfo eleitoral de Putin?

Presidente russo usará reeleição com supostos 87,2% dos votos como demonstração da unidade nacional para prolongar guerra

pt_BRPortuguese