Voltar ao Início

Você está em:

No G20, Haddad pede juros ‘adequados’ e recursos para crise climática e contra pobreza

Ministro da Fazenda disse que bancos multilaterais de desenvolvimento devem 'reforçar' papel no combate à fome
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta sexta-feira (24) que bancos multilaterais de desenvolvimento devem aplicar "juros adequados" e canalizar recursos para o enfrentamento à crise climática e à pobreza.

A declaração foi dada durante reunião de ministros de finanças e presidentes de bancos centrais de países do G20, na Índia. O presidente do Banco Central brasileiro, Roberto Campos Neto, também representa o país no encontro.

Entre os bancos multilaterais de desenvolvimento, estão o Banco Mundial, o Banco Interamericano de Desenvolvimento e o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), também conhecido como banco do BRICs – bloco formado por Brasil, Índia, China, Rússia e África do Sul.
"Essas instituições devem ser bem capitalizadas e flexíveis para apoiar os países em desenvolvimento com financiamento de longo prazo, taxas de juros adequadas e estruturas inovadoras para reduzir riscos, estimular parcerias público-privadas e atrair investimentos privados", declarou Haddad.

Financiamento climático e juros
Segundo o ministro da Fazenda, o financiamento climático é mais caro para países em desenvolvimento e emergentes, pois as taxas juros cobradas são mais altas — o que dificulta o atingimento das metas de redução de emissão de carbono.

Durante reunião do G20, o ministro Fernando Haddad também afirmou que está preocupado com os níveis de endividamento, principalmente dos países mais pobres.

A dívida das nações emergentes, por exemplo, subiu de cerca de 65% do PIB (Produto Interno Bruto) antes do início da pandemia da Covid-19 para 72% do PIB no fim do ano passado.

"A alta das taxas de juros em meio a fragilidades da economia global agrava o cenário", disse o ministro da Fazenda brasileiro.

Assim como no Brasil, a maioria dos países tem elevado a taxa básica de juros para conter a alta da inflação, o que compromete o crescimento da economia mundial.

Para Haddad, dispor de mecanismos de "reestruturação ordenada" do endividamento é do interesse de credores e devedores neste momento.

Posts Relacionados

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Governo quer influenciar posição da bancada religiosa no Congresso e apelar para governadores sobre risco de crises

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

A expectativa é que nessa linha de crédito as taxas de juros sejam a metade do que o Pronampe cobra

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

Orlando Silva tenta colocar projeto na pauta da Câmara, mas diz que tema polêmico e lobby das "big techs" atrapalham

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

Mecanismo tem sido chamado de 'SUS da Cultura' e promete facilitar o acesso aos financiamentos no segmento

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Com pagamento de aproximadamente R$ 20 bilhões, União terá direito a R$ 6 bilhões, valor que ajudará na meta fiscal

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Pacheco, presidente do Senado, declarou a perda de validade de trechos da MP editada pelo governo para elevar receitas

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Textos liberam garimpo em reservas, flexibilizam medidas contra incêndios e extinguem taxas que custeiam Ibama

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

Presidente francês passará por 4 cidades em 3 dias a partir da semana que vem; comitiva terá cerca de 140 empresários

pt_BRPortuguese