Voltar ao Início

Você está em:

Nova onda de ataques aéreos russos na Ucrânia

Rússia disparou 55 mísseis nesta quinta-feira, dos quais 47 foram destruídos em Kiev. 24 drones de fabricação iraniana foram abatidos
Amanda Omura

Amanda Omura

A Rússia lançou um novo ataque aéreo maciço na Ucrânia nesta quinta-feira (26) que matou pelo menos 11 pessoas e provocou cortes de energia.
"Onze pessoas ficaram feridas e, infelizmente, outras 11 morreram", disse o porta-voz Oleksander Jorunejy à televisão ucraniana. Ele disse que os danos mais significativos ocorreram na região de Kiev.

De acordo com o chefe das Forças Armadas ucranianas, general Valery Zaluzhny, a Rússia disparou 55 mísseis nesta quinta-feira, dos quais 47 foram destruídos —20 deles nas imediações de Kiev.
Além disso, 24 drones Shahed de fabricação iraniana foram abatidos durante a noite, segundo as forças ucranianas.

Kiev e outras regiões prosseguiram com cortes de energia de "emergência" para "evitar grandes danos à infraestrutura de energia", informou a operadora de energia privada DTEK.

A Rússia está tentando causar "um colapso sistêmico" na rede nacional, disse o ministro da Energia, German Galushchenko.
"A situação ainda está sob controle", disse o primeiro-ministro Denys Shmygal.

Na região de Odessa, a energia foi restabelecida após o meio-dia em hospitais e outras obras de infraestrutura essenciais.
O bombardeio perto dessa cidade ocorreu pouco antes da chegada da ministra francesa das Relações Exteriores, Catherine Colonna, para se encontrar com seu homólogo ucraniano, Dmytro Kuleba.

Envolvimento direto
Depois de vários reveses militares em meados do ano passado, o governo russo mudou de estratégia e, em outubro, começou a atacar transformadores e usinas de energia da Ucrânia.

Desde então, os apagões se multiplicaram, deixando milhões de civis ucranianos sem água potável, ou aquecimento, no auge do inverno.

Novas armas
Este novo ataque ocorre um dia depois de Estados Unidos e Alemanha terem autorizado o envio de dezenas de veículos pesados de combate para a Ucrânia, uma decisão inédita nos 11 meses de guerra.

Posts Relacionados

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Corte de Apelações rejeitou pedido de advogados do ex-presidente de que ele gozava de proteção legal porque era presidente à época

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

pt_BRPortuguese