Voltar ao Início

Você está em:

Número de pessoas que se previnem do HIV por meio da ‘Profilaxia Pré-Exposição’ cresce 47%

Dados mostram que nos três primeiros meses de 2022 foram 8.393 novos usuários; em 2023 número subiu para 12.343
Amanda Omura

Amanda Omura

O número de novos usuários de Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) cresceu 47% no Brasil. Os dados são do Painel PrEP do Ministério da Saúde e comparam os três primeiros meses de 2022 e 2023.

A PrEP é uma das formas de se prevenir do vírus do HIV. Segundo o Ministério da Saúde, a PrEP consiste em tomar medicamentos antes da relação sexual para que o organismo esteja preparado para enfrentar um possível contato com o vírus.

Em 2022, foram 8.393 novos usuários
Em 2023 o número aumentou para 12.343

Quando comparado mês a mês, o maior aumento aconteceu em janeiro, com 74%.

Quando e quem pode usar a Profilaxia pré-Exposição (PrEP)
A profilaxia é indicada para qualquer pessoa em situação de vulnerabilidade para o HIV. Algumas situações que podem indicar o uso:

Frequentemente deixar de usar camisinha nas relações sexuais (anais ou vaginais);

Fazer uso repetido de PEP (Profilaxia Pós-Exposição ao HIV);

Apresentar histórico de episódios de Infecções Sexualmente Transmissíveis;

Contextos de relações sexuais em troca de dinheiro, objetos de valor, drogas, moradia, etc.

Chemsex: prática sexual sob a influência de drogas psicoativas (metanfetaminas, Gama-hidroxibutirato (GHB), MDMA, cocaína, poppers) com a finalidade de melhorar e facilitar as experiências sexuais.

PrEP x PEP
De acordo com a Secretaria de Saúde, a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV consiste no uso de antirretrovirais para reduzir o risco de adquirir a infecção pelo HIV. Ela é indicada para aquelas que têm maior risco de entrar em contato com o HIV.

Já a Profilaxia Pós-Exposição (PEP) é uma medida de prevenção de urgência à infecção pelo HIV, hepatites virais e outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), que consiste no uso de medicamentos para reduzir o risco de adquirir essas infecções.

É uma urgência médica, que deve ser iniciada o mais rápido possível – preferencialmente nas primeiras duas horas após a exposição e, no máximo, em até 72 horas.

Posts Relacionados

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Ministério da Agricultura reconheceu que unidades federativas estão livres da doença

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Estudo coletou amostras de cabelo de 287 indígenas do subgrupo Ninam, e apontou que todos eles vivem sob exposição

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Grupo foi perseguido, torturado e expulso de suas terras – crimes reconhecidos pela Comissão Nacional da Verdade

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

No Brasil, segundo Ministério da Saúde, 13 milhões de pessoas sofrem com alguma condição rara

Ministério da Saúde amplia vacinação da dengue para mais 154 cidades

Ministério da Saúde amplia vacinação da dengue para mais 154 cidades

Segundo a pasta, distribuição das doses começa a partir da nota técnica que será publicada nesta quarta (27)

Pé-de-Meia: alunos do ensino médio já podem consultar se foram contemplados

Pé-de-Meia: alunos do ensino médio já podem consultar se foram contemplados

Programa é voltado para alunos de 14 a 24 anos, regularmente matriculados no ensino médio da rede pública

Só 3 das 100 cidades mais populosas do país universalizaram saneamento básico

Só 3 das 100 cidades mais populosas do país universalizaram saneamento básico

Maringá (PR), São José do Rio Preto (SP) e Campinas (SP) são as únicas a ter ao menos 99% da população com acesso à água

Casos de tuberculose crescem quase 10% na cidade de SP; alta no estado foi de 7,1%

Casos de tuberculose crescem quase 10% na cidade de SP; alta no estado foi de 7,1%

Em todo o estado foram 20.547 registros oficiais da doença em SP no ano passado

pt_BRPortuguese