Voltar ao Início

Você está em:

Onda de calor pode ser mais prejudicial para quem tem doenças no coração

Portadores de pressão alta, diabetes, arritmia e outros problemas cardiovasculares precisam ter atenção redobrada
Amanda Omura

Amanda Omura

Parte do Brasil enfrenta agora a terceira onda de calor de 2024.

Áreas do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil enfrentam nesta semana (11 a 15 de março) uma nova onda de calor, segundo alerta do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), com temperaturas que podem chegar a 40°C em alguns locais.

Com a previsão de temperatura 5ºC acima da média por três a cinco dias, o Inmet emitiu um alerta de perigo pelo risco à saúde.

Onda de calor: como o organismo tenta se adaptar
O aumento da temperatura do ambiente influencia diretamente o nosso corpo, que também esquenta.

Para lidar com isso, o sistema nervoso lança uma série de ações emergenciais. A primeira delas é aumentar a sudorese, ou a liberação de suor através da pele. A segunda envolve relaxar e dilatar os vasos sanguíneos mais superficiais, de modo a liberar calor para o meio externo.

Essas medidas têm o objetivo de resfriar o organismo, para que ele volte àquele limiar dos 35,5 e 37,5 ºC — e elas costumam funcionar bem na maioria dos casos.

Mas há situações em que essas estratégias não são suficientes ou podem se tornar até prejudiciais. No primeiro cenário, o calor está tão alto que nem o suadouro, nem a dilatação de veias e artérias, dão conta do recado.

No segundo, a liberação de suor pelas glândulas sudoríparas é tão intensa que gera um quadro de desidratação — quando a quantidade de líquido no corpo está abaixo do necessário para que órgãos e células funcionem de forma adequada.

"Além disso, a transpiração excessiva gera perda de eletrólitos, como sódio, potássio e magnésio, que são elementos importantes para uma série de reações químicas no organismo", lembra Franken.

O relaxamento dos vasos sanguíneos também pode provocar quedas na pressão arterial, o que gera quadros de mal-estar, tontura e até desmaios. Se isso acontece em determinadas situações — quando o indivíduo está dirigindo ou operando máquinas pesadas, por exemplo — pode representar um risco de acidentes graves.

Posts Relacionados

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Ministério da Agricultura reconheceu que unidades federativas estão livres da doença

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Estudo coletou amostras de cabelo de 287 indígenas do subgrupo Ninam, e apontou que todos eles vivem sob exposição

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Grupo foi perseguido, torturado e expulso de suas terras – crimes reconhecidos pela Comissão Nacional da Verdade

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

No Brasil, segundo Ministério da Saúde, 13 milhões de pessoas sofrem com alguma condição rara

Ministério da Saúde amplia vacinação da dengue para mais 154 cidades

Ministério da Saúde amplia vacinação da dengue para mais 154 cidades

Segundo a pasta, distribuição das doses começa a partir da nota técnica que será publicada nesta quarta (27)

Pé-de-Meia: alunos do ensino médio já podem consultar se foram contemplados

Pé-de-Meia: alunos do ensino médio já podem consultar se foram contemplados

Programa é voltado para alunos de 14 a 24 anos, regularmente matriculados no ensino médio da rede pública

Só 3 das 100 cidades mais populosas do país universalizaram saneamento básico

Só 3 das 100 cidades mais populosas do país universalizaram saneamento básico

Maringá (PR), São José do Rio Preto (SP) e Campinas (SP) são as únicas a ter ao menos 99% da população com acesso à água

Casos de tuberculose crescem quase 10% na cidade de SP; alta no estado foi de 7,1%

Casos de tuberculose crescem quase 10% na cidade de SP; alta no estado foi de 7,1%

Em todo o estado foram 20.547 registros oficiais da doença em SP no ano passado

pt_BRPortuguese