Voltar ao Início

Você está em:

‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’: a crise do Zolpidem no Brasil

Entenda os três principais fatores que explicam a epidemia de abuso dos remédios contra a insônia no país
Amanda Omura

Amanda Omura

Nos últimos anos, uma "competição" informal e velada passou a dominar as rodas de conversas de psiquiatras e especialistas em medicina do sono brasileiros: saber quem atendeu o paciente que tomou a maior quantidade de comprimidos de Zolpidem num único dia.

O remédio usado no tratamento contra a insônia, disponível no mercado há mais de 30 anos, ganhou protagonismo maior na última década, pela junção de uma série de fatores que você vai conhecer ao longo desta reportagem, como uma facilidade na prescrição médica e um apelo quase irresistível para um problema relativamente comum — a dificuldade para dormir.

Alguns médicos ouvidos pela BBC News Brasil contam que é cada vez mais frequente receber no consultório indivíduos que ingeriram 40 ou 50 unidades do fármaco de uma só vez.

"Nós já internamos pessoas que tomaram 300 comprimidos de Zolpidem num dia", relata o psiquiatra Márcio Bernik, coordenador do Programa de Transtornos de Ansiedade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo (IPq-FMUSP).

O especialista aponta que essa medicação virou uma das drogas de abuso no Brasil — e, guardadas as devidas proporções, chega a comparar o que acontece no país com o cenário de abuso de opioides que assola os Estados Unidos.

Para a neurologista Dalva Poyares, do Instituto do Sono, em São Paulo, a situação já pode ser classificada como um problema de saúde pública.

O consumo de Zolpidem aumentou quase que numa progressão geométrica, e falamos aqui de um medicamento que está relacionado à dependência e abuso.
— Dalva Poyares, neurologista do Instituto do Sono
Falando em dados, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) calcula que 13,6 milhões de caixas dessa medicação foram vendidas em 2018. Dois anos depois, em 2020, esse número saltou para 23,3 milhões — um crescimento de 71% em poucos meses. Desde então, essas estatísticas nunca ficaram abaixo da casa dos 20 milhões anuais.

O psiquiatra Lucas Spanemberg, do Instituto do Cérebro da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), concorda com a avaliação de seus colegas. “Eu trabalho na Unidade de Internação Psiquiátrica do Hospital São Lucas, em Porto Alegre, e temos recebido casos dramáticos de dependência de Zolpidem”, diz ele.

"Já lidei com pacientes que tomavam duas ou três caixas inteiras [com 30 comprimidos cada] numa noite. Os familiares precisaram nos mostrar as fotos das embalagens, porque era algo inacreditável", complementa o médico.

Posts Relacionados

Por que algumas pessoas se sentem cansadas o tempo todo?

Por que algumas pessoas se sentem cansadas o tempo todo?

Para algumas pessoas, não importa quanto tempo durmam, elas ainda se sentem cansadas e com pouca energia. Por quê?

Manual de sobrevivência para o carnaval: veja cuidados para evitar ressaca

Manual de sobrevivência para o carnaval: veja cuidados para evitar ressaca

Em tempos de carnaval, nada melhor do que curtir a folia ao máximo. Mas você pensa na sua saúde enquanto aproveita?

O que acontece com corpo quando se para de tomar café

O que acontece com corpo quando se para de tomar café

Costuma causar dor de cabeça, mas também melhora o humor, o sistema gastrointestinal e até a aparência

Dengue: quais são os sintomas e quando é hora de buscar um hospital

Dengue: quais são os sintomas e quando é hora de buscar um hospital

Brasil registrou explosão no número de casos de dengue nas duas primeiras semanas deste ano, com 55.859 casos prováveis

Colágeno: quais os efeitos reais do suplemento na pele?

Colágeno: quais os efeitos reais do suplemento na pele?

Apesar de ser um suplemento popular, o colágeno ainda carece de boas evidências científicas que respaldem o principal benefício

Por que devemos investir no consumo de frutas, legumes e verduras

Por que devemos investir no consumo de frutas, legumes e verduras

Alimentos contêm substâncias bioativas que ajudam no nosso metabolismo. Quanto mais colorido o prato, melhor

Os riscos de energéticos pré-treino com cafeína, que prometem resultado rápido

Os riscos de energéticos pré-treino com cafeína, que prometem resultado rápido

Vendidos em cápsulas ou como bebidas, os pré-treinos são turbinados com cafeína e vendidos sem prescrição médica

Qual a diferença entre compulsão alimentar e comer emocional

Qual a diferença entre compulsão alimentar e comer emocional

Comer emocional acontece quando, em uma ocasião determinada, se come mais do que se comeria normalmente

pt_BRPortuguese