Voltar ao Início

Você está em:

Pacote de ‘bondades’ de Bolsonaro por reeleição obriga próximo presidente a fazer ajuste fiscal

Se não fizer o ajuste, o presidente terá de acabar com o teto de gastos ou afrouxar as regras fiscais
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

A série de medidas do governo conhecida como pacote de "bondades", adotada pelo presidente Jair Bolsonaro em busca da reeleição, obrigará quem estiver no governo em 2023 a fazer um ajuste fiscal logo no início do mandato.
Se não fizer o ajuste, o presidente terá de acabar com o teto de gastos ou afrouxar as regras fiscais, o que dará uma sinalização negativa para o mercado financeiro.

Desde o final do ano passado, Bolsonaro tem lançado medidas a fim de recuperar a imagem junto ao eleitorado e melhorar a competitividade na disputa presidencial.
No período, Bolsonaro:
lançou o Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, passando o custo do programa de R$ 35 bilhões para mais de R$ 90 bilhões;
decidiu reduzir o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em 25%, cujo impacto fiscal é de cerca de R$ 20 bilhões (metade bancada pela União e a outra metade por estados e municípios);
autorizou o saque extra de até R$ 1 mil do FGTS para os trabalhadores (esta medida não tem custo fiscal).

Ainda estão no forno outras ações. Entre as quais:
reajuste para servidores;
correção da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física.
Só que essas medidas esbarram em resistências no funcionalismo público e na cúpula do governo. No caso do reajuste dos servidores, o governo quer dar um reajuste de 5% de forma linear para todos os funcionários. As categorias não aceitam e dizem que é pouco. O custo seria de quase R$ 6 bilhões neste ano.
E os agentes da segurança pública reclamam que a promessa de Bolsonaro era fazer uma reestruturação dessas carreiras (Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e agentes penitenciários). Essas categorias ameaçam romper com o governo Bolsonaro se a promessa não for cumprida. O custo seria de quase R$ 2 bilhões.

Posts Relacionados

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Governo quer influenciar posição da bancada religiosa no Congresso e apelar para governadores sobre risco de crises

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

A expectativa é que nessa linha de crédito as taxas de juros sejam a metade do que o Pronampe cobra

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

Orlando Silva tenta colocar projeto na pauta da Câmara, mas diz que tema polêmico e lobby das "big techs" atrapalham

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

Mecanismo tem sido chamado de 'SUS da Cultura' e promete facilitar o acesso aos financiamentos no segmento

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Com pagamento de aproximadamente R$ 20 bilhões, União terá direito a R$ 6 bilhões, valor que ajudará na meta fiscal

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Pacheco, presidente do Senado, declarou a perda de validade de trechos da MP editada pelo governo para elevar receitas

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Textos liberam garimpo em reservas, flexibilizam medidas contra incêndios e extinguem taxas que custeiam Ibama

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

Presidente francês passará por 4 cidades em 3 dias a partir da semana que vem; comitiva terá cerca de 140 empresários

pt_BRPortuguese