Pagamento irregular do Auxílio Emergencial de R$ 300 pode chegar a R$ 808,9 milhões

Pagamento irregular do Auxílio Emergencial de R$ 300 pode chegar a R$ 808,9 milhões

  • Redação
  • fevereiro 7, 2022
  • Nenhum Comentário
  • 873
  • 2 minutos de leitura

A Controladoria-Geral da União (CGU) encontrou indícios de que o pagamento irregular do Auxílio Emergencial de R$ 300 – que vigorou por quatro meses em 2020 – pode ter chegado a R$ 808,9 milhões em 2020.
Ao mesmo tempo, a CGU identificou famílias que não receberam todas as parcelas a que tinham direito.
Em relatório do final do ano passado, o órgão avaliou que 1,8 milhão de pessoas podem ter recebido as parcelas indevidamente – o número equivale a 3,2% do total de 56,8 milhões dos beneficiários.
O governo federal pagou Auxílio Emergencial no valor de R$ 600 mensais no início da pandemia de Covid, entre abril e agosto de 2020. Depois, prorrogou o benefício por quatro meses em valor menor, de R$ 300. Essa extensão foi analisada por uma auditoria da CGU por meio de cruzamento de dados.
Porém, segundo a CGU, parte dos beneficiários receberam menos parcelas – e a situação deles é “relacionada quase integralmente” às ações preventivas do ministério.
O relatório também aponta que parte dos benefícios irregulares nessa etapa do Auxílio Emergencial foram devolvidos à União. Somados, devoluções e estornos dos valores não sacados totalizaram R$ 44,4 milhões.
Deduzindo o valor que voltou aos cofres públicos, os pagamentos indevidos que exigem “adoção de providências pelo Ministério da Cidadania” somam R$ 764,5 milhões.

Post relacionados

El Niño x La Niña: mudança de fenômeno pode…

Principal temor é que o fenômeno provoque longos períodos de seca, esvaziando reservatórios

Desmatamento tem queda de 40% na Amazônia, mas está…

Redução do desmatamento na Amazônia no primeiro trimestre é de 40% neste ano em comparação com o ano passado

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter…

Governo quer influenciar posição da bancada religiosa no Congresso e apelar para governadores sobre risco de crises

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *