Voltar ao Início

Você está em:

Por que a desigualdade é um fator de risco para o Alzheimer

Ambiente físico e social no qual as pessoas estão inseridas pode aumentar a proteção ou ser ameaça para desenvolver demência
Amanda Omura

Amanda Omura

Adriana Perez é doutora em enfermagem e professora da University of Pennsylvania. Coordena um grupo multidisciplinar para pesquisar os fatores de risco para demência na comunidade latina nos EUA e tem números assustadores que, segundo ela, costumam deixar as plateias atônitas: “o número de latinos com diagnóstico de Alzheimer vai crescer 800% até 2060, e o ambiente físico e social no qual a pessoa está inserida pode aumentar o risco ou protegê-la da doença”.
Perez abriu a conferência “Addressing health disparities” (“Endereçando as disparidades na saúde”), promovida nos dias 21 e 22 pela Alzheimer´s Association. Afirmou que na Filadélfia, onde mora há sete anos, as comunidades de baixa renda dispõem de poucos recursos para se exercitar, um dos pilares para manter a saúde: “os bairros negros e latinos são os mais densamente povoados, os menos seguros e com menor número de espaços verdes e apropriados para caminhadas. Desigualdades sociais são determinantes para a atividade física”.
Em sua palestra, enfatizou que a exclusão e o racismo estrutural acompanham essas comunidades. “O acesso à saúde é limitado, assim como a oportunidade para participar de ensaios clínicos. Normalmente, é exigida proficiência em inglês e mesmo os latinos que falam bem a língua se sentem desconvidados. É como se o recado fosse: ‘não queremos vocês’. Temos que repensar os testes para medir habilidades cognitivas, que são padronizados e não levam em conta que muitos vieram de outros países e os sistemas educacionais são diferentes. Isso pode resultar numa pontuação baixa sem que o indivíduo sofra de algum tipo de demência”, detalhou.

Outra participante do evento, a epidemiologista Kristen M. George, do departamento de saúde pública da University of California, Davis, pesquisa como a desigualdade social eleva as chances de problemas cardiovasculares que, por sua vez, contribuem para o surgimento de demências. As estatísticas que apresentou mostram como a incidência da doença atinge os afrodescendentes: chega a 26.6% entre os idosos negros, enquanto não passa de 19.35% entre os brancos. Seu diagnóstico:

“O risco é muito mais alto para hipertensão e obesidade entre a população afrodescendente, que experimenta uma deterioração precoce da saúde pelo peso do racismo, pela marginalização econômica, pelo acúmulo de impactos sociais e políticos”.
George explicou que nenhuma comunidade deve ser estudada sem que se leve em conta seu acesso a saúde e educação de qualidade, estabilidade econômica, vizinhança e histórico de violência e trauma. E deu como exemplo o “Stroke belt”, ou “cinturão do derrame”, no sudeste norte-americano. Naquela região, com taxas mais altas de pobreza e baixo nível educacional, é onde ocorre o maior número de acidentes vasculares cerebrais. Estamos falando de latinos e negros norte-americanos, mas os assuntos abordados na conferência guardam inúmeras semelhanças com as mazelas brasileiras.

Posts Relacionados

Por que o álcool é tão perigoso para o cérebro dos jovens

Por que o álcool é tão perigoso para o cérebro dos jovens

O álcool é uma toxina. Seus riscos incluem acidentes, doenças do fígado e muitos tipos de câncer, até em pequenas quantidades

Candidíase em homens: como surge a infecção que causa coceira e manchas

Candidíase em homens: como surge a infecção que causa coceira e manchas

A 'Candida albicans' é um tipo de fungo que normalmente coexiste em equilíbrio na microbiota humana, e faz parte do corpo

Cosméticos: quais substâncias nossa pele consegue ou não absorver

Cosméticos: quais substâncias nossa pele consegue ou não absorver

Marketing traz apelo de várias substâncias com promessas de resultados, mas nem tudo é absorvido pela pele

A teoria do ‘útero errante’ que deu origem ao ultrapassado conceito de histeria

A teoria do ‘útero errante’ que deu origem ao ultrapassado conceito de histeria

Esta crença existiu há mais de 2,4 mil anos, mas o paradigma sobre como o suposto 'animal' afetava o corpo se manteve

Psicóloga incentiva adultos a cuidarem de sua criança interior para superar traumas

Psicóloga incentiva adultos a cuidarem de sua criança interior para superar traumas

Com mais de 8 milhões de seguidores, Nicole Lepera fala sobre como os traumas influenciam a vida adulta em vídeos

Álcool, cravo e óleo de citronela: os repelentes caseiros funcionam contra a dengue?

Álcool, cravo e óleo de citronela: os repelentes caseiros funcionam contra a dengue?

Sem comprovação de eficácia, produtos não são aprovados pela Anvisa e podem causar alergias em contato com a pele

O que a maior revisão de estudos sobre comidas ultraprocessadas revelou

O que a maior revisão de estudos sobre comidas ultraprocessadas revelou

Ultraprocessados, como cereais matinais e refrigerantes, foram associados a 32 efeitos prejudiciais à saúde

Procrastinação: por que algumas pessoas “enrolam” mais do que as outras?

Procrastinação: por que algumas pessoas “enrolam” mais do que as outras?

Por que adiamos declaração de imposto de renda ou fazer faxina? Por que algumas pessoas "enrolam" mais do que as outras?

pt_BRPortuguese