Voltar ao Início

Você está em:

Por que os houthis, do Iêmen, estão atacando Israel?

Movimento rebelde patrocinado pelo Irã tenta abrir nova frente de guerra e já fez quatro tentativas para atingir o sul do país
Amanda Omura

Amanda Omura

A guerra entre Israel e o Hamas pode abrir uma nova frente, a de um confronto com os houthis, que controlam boa parte do Iêmen e são patrocinados pelo Irã.

Desde o início do confronto, há um mês, as forças israelenses registraram quatro tentativas de ataques ao sul do país, por parte dos rebeldes iemenitas, que estão localizados no sudoeste da Península Arábica, a quase 2.000 quilômetros de distância.

Na mais recente, nesta quinta-feira, o sistema de defesa aérea Arrow 3, o mais avançado de Israel, interceptou um míssil balístico disparado do Iêmen, pelo regime houthi, em direção à cidade israelense de Eilat.

Fica a pergunta: por que o grupo militante xiita, conhecido “Partidários de Deus” está se envolvendo nessa guerra?

O movimento opera no Iêmen desde a década de 2000 e surgiu como como insurgência ao regime de Ali Abdullah Saleh, que governou o país entre 1990 a 2012, quando ele renunciou. Em 2014, os rebeldes assumiram o controle da capital Sanaa e de grande parte do norte do país, num golpe contra o presidente em exercício, Abd Rabbuh Hadi.

No ano seguinte, uma coalizão liderada pela Arábia Saudita interveio no Iêmen, com apoio dos EUA e Reino Unido, para tentar reconduzir o presidente ao poder. O conflito foi alimentado por rivais regionais: de um lado, o regime saudita, apoiando os sunitas: de outro, o iraniano, xiita, respaldando os houthis, que, oito anos depois, ainda controlam a capital.

A guerra no Iêmen é classificada pela ONU como o mais grave desastre humanitário da atualidade, com deslocamento interno de mais de 4,5 milhões de pessoas e 80% da população vivendo na pobreza. Os mais afetados são as crianças: cerca de 11 milhões de crianças vivem em situação desesperadora e precisam de ajuda humanitária, segundo as Nações Unidas.

Em março passado, Irã e Arábia Saudita retomaram relações diplomáticas, sob a mediação da China, e atenuaram a guerra que mantêm, por procuração, no Iêmen.

Posts Relacionados

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Israel combate o Hamas e o Hezbollah, aliados do Irã, que apoia também os Houthis, grupo rebelde do Iêmen que ataca navios

pt_BRPortuguese