Voltar ao Início

Você está em:

Presidente de Israel sinaliza chance de nova trégua

Herzog disse ainda que o governo está disposto a debater a pausa nos ataques à Faixa de Gaza mediada por países estrangeiros
Amanda Omura

Amanda Omura

Após a pressão de países aliados por uma nova pausa nos bombardeios, o presidente de Israel, Isaac Herzog, disse nesta terça-feira (19) que o país está pronto para outra trégua.

Herzog disse ainda que o governo israelense está disposto a debater a pausa nos ataques à Faixa de Gaza mediada por países estrangeiros para recuperar os cerca de 135 reféns ainda detidos pelo Hamas.

“Israel está pronto para outra pausa humanitária e ajuda humanitária adicional, a fim de permitir a libertação de reféns”, disse Herzog, numa reunião de embaixadores, de acordo com o seu gabinete. "E a responsabilidade recai inteiramente sobre (o líder do Hamas, Yahya) Sinwar e (outras) lideranças do Hamas", disse ele.

No fim de novembro, Israel fez uma trégua de seis dias nos bombardeios após um acordo como o Hamas, o primeiro desde o início da guerra. Do outro lado, cerca de 130 reféns foram libertados.

Embora seja o presidente de Israel, Herzog não chefia o governo, função que cabe ao primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, nem tem poder de decisão sobre matérias do tipo.

Mas a sinalização acontece no momento em que líderes do Ocidente pressionam o governo israelense para uma nova pausa.

Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, criticou o que chamou de "bombardeios indiscriminados" por parte de Israel. Já o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, o ex-premiê David Cameron, se reuniu com os homólogos da França e Itália para pressionar por um "cessar-fogo sustentável" no conflito.

Nesta terça, o Conselho de Segurança da ONU deve votar uma nova resolução pedindo "o cessar-fogo urgente e duradouro". Um possível veto Estados Unidos, no entanto, pode inviabilizar o texto.

Também nesta terça, o Ministério da Saúde do Hamas disse que 20 pessoas morreram em um bombardeio israelense na cidade de Rafah, perto da fronteira de Gaza com o Egito. Segundo o ministério, 19.667 pessoas morreram por conta dos bombardeios de Israel na Faixa de Gaza desde o início da guerra entre Israel e o Hamas.

Posts Relacionados

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Corte de Apelações rejeitou pedido de advogados do ex-presidente de que ele gozava de proteção legal porque era presidente à época

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

pt_BRPortuguese