Voltar ao Início

Você está em:

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

O primeiro-ministro de Israel é pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista
Amanda Omura

Amanda Omura

O ambiente mais tranquilo em que Benjamin Netanyahu esteve nos últimos dias parece ter sido o centro cirúrgico onde foi submetido a uma cirurgia de hérnia. Tanto partidários quanto opositores se encontram em um lugar comum e atiçam a fervura do primeiro-ministro de Israel num caldeirão explosivo — duplamente pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista pelo recrutamento de ultraortodoxos ao serviço militar.

Multidões se aglomeram desde domingo (31) do lado de fora do Parlamento, em Jerusalém, exigindo a saída do premiê, por gerir mal a guerra contra o Hamas e abandonar os reféns em Gaza.

Os bairros religiosos da cidade registraram um protesto menor, mas muito significativo porque ameaça diretamente romper a aliança de Netanyahu com seus parceiros ultraortodoxos.

Na semana passada, o Supremo Tribunal suspendeu os subsídios que mantinham os judeus ultraortodoxos em escolas religiosas em vez de servirem nas Forças Armadas, alimentando a frustração deste setor da sociedade com o primeiro-ministro.

Este foco de tensão permanente na sociedade israelense, entre os grupos seculares e os religiosos, se acirrou com as benesses concedidas pelo governo aos ultraortodoxos.

Os protestos massivos contra Netanyahu ocorrem durante a mais longa guerra israelense desde a sua independência e que até agora ajudou-o a manter-se no comando do país. Famílias dos reféns mudaram a agenda central das manifestações semanais e exigem também a renúncia do primeiro-ministro.

Era tudo o que ele não precisava, numa altura em que Israel se isolou internacionalmente e virou alvo de ataques antissemitas. “Como qualquer ditador assustado, Netanyahu recorreu à tática habitual de acusar os seus oponentes políticos de ajudarem o inimigo”, ponderou o colunista Yossi Verter, do “Haaretz”.

O premiê sustenta que os protestos servem apenas ao Hamas e que as eleições paralisarão o país e interromperão as negociações para o retorno dos reféns.

Posts Relacionados

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

A profundidade do terremoto, de acordo com a USGS, foi de 5 quilômetros abaixo da superfície -- uma profundidade considerada baixa

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Ele também afirmou que apoiar a Ucrânia é importante porque os russos estão recebendo ajuda para aumentar sua indústria de defesa

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

O primeiro-ministro de Israel é pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

A Guarda Revolucionária do Irã anunciou que sete de seus membros, entre eles três comandantes, morreram no bombardeio

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Os Estados Unidos optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza

Rússia e China vetam proposta dos EUA de cessar-fogo

Rússia e China vetam proposta dos EUA de cessar-fogo

Ao justificar seu voto, o embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, acusou os Estados Unidos de falsas promessas

Regime cubano tenta aplacar a ira da população

Regime cubano tenta aplacar a ira da população

As manifestações populares foram contidas pela repressão policial, em sincronia com o bloqueio imediato do serviço de internet

O que esperar do triunfo eleitoral de Putin?

O que esperar do triunfo eleitoral de Putin?

Presidente russo usará reeleição com supostos 87,2% dos votos como demonstração da unidade nacional para prolongar guerra

pt_BRPortuguese