Voltar ao Início

Você está em:

Quem é Marcio Pochmann, economista anunciado para presidir o IBGE

Filiado ao PT desde 2011, Pochmann foi duas vezes candidato a prefeito de Campinas, mas não se elegeu
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O economista Marcio Pochmann será o novo presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo anúncio do ministro da Secretaria de Comunicação, Paulo Pimenta. Filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT) desde 2011, o professor voluntário da Unicamp foi duas vezes candidato a prefeito de Campinas (SP), mas não se elegeu.

Em outubro de 2020, o economista postou uma crítica ao PIX, programa de transferências online que foi lançado um mês depois. Segundo ele, o PIX seria mais um "passo na via neocolonial a qual o Brasil já se encontra ao continuar seguindo o receituário neoliberal".

"Na sequência vem a abertura financeira escancarada com o real digital e a sua conversibilidade ao dólar. Condição perfeita ao protetorado dos EUA", completou Pochmann, no Twitter.

Vida política
Pochmann tem intensa atuação política, especialmente em Campinas - quando foi derrotado em duas eleições para prefeito. O economista também tentou vaga como deputado federal em 2018, quando ficou na suplência.

Em nota, o PT de Campinas defendeu a decisão do governo de indicá-lo para presidência do IBGE. "A vida acadêmica e profissional de Márcio demonstra que será um grande acerto do Governo Lula", comunicou em nota.

Eleições de 2018 e mais
Dois anos depois, o economista tentou vaga como deputado federal e obteve 53.261 votos, o que garantiu apenas vaga como suplente.

Antes das eleições, Pochmann foi Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade durante governo de Marta Suplicy (PT), em São Paulo.

Também presidiu, entre 2012 e 2020, a Fundação Perseu Abramo, associação ligada ao Partido dos Trabalhadores para "desenvolvimento de atividades como as de reflexão política e ideológica, de promoção de debates, estudos".

Pochmann foi presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) entre 2007 e 2012 e participou da transição do governo após a eleição de Lula.

Posts Relacionados

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Governo quer influenciar posição da bancada religiosa no Congresso e apelar para governadores sobre risco de crises

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

A expectativa é que nessa linha de crédito as taxas de juros sejam a metade do que o Pronampe cobra

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

Orlando Silva tenta colocar projeto na pauta da Câmara, mas diz que tema polêmico e lobby das "big techs" atrapalham

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

Mecanismo tem sido chamado de 'SUS da Cultura' e promete facilitar o acesso aos financiamentos no segmento

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Com pagamento de aproximadamente R$ 20 bilhões, União terá direito a R$ 6 bilhões, valor que ajudará na meta fiscal

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Pacheco, presidente do Senado, declarou a perda de validade de trechos da MP editada pelo governo para elevar receitas

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Textos liberam garimpo em reservas, flexibilizam medidas contra incêndios e extinguem taxas que custeiam Ibama

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

Presidente francês passará por 4 cidades em 3 dias a partir da semana que vem; comitiva terá cerca de 140 empresários

pt_BRPortuguese