Ucrânia forma linha de frente para possível invasão

Ucrânia forma linha de frente para possível invasão

  • Redação
  • 9 de fevereiro de 2022
  • Nenhum Comentário
  • 1121
  • 3 minutos de leitura

Em um uniforme militar reforçado e com um fuzil no ombro, um guarda de fronteira ucraniano observa um vale nevado atravessado por uma cerca de arame farpado: para os ucranianos, a fronteira com a Rússia é sinônimo de ameaça.
“Estamos sempre alertas”, declarou à AFP Mykola Féryne, oficial do serviço de guardas de fronteira. “Em caso de agressão da Rússia, seremos os primeiros envolvidos”.
Há oito anos, antes da anexação da Crimeia e do início do conflito com os separatistas pró-Rússia na bacia de Donbass, a linha de fronteira mal era marcada e às vezes era apenas virtual nesta área do nordeste do país, onde os laços transfronteiriços, tanto familiares como econômicos, eram muito fortes.
Mas à medida que as tensões entre a Rússia e a Ucrânia, e entre Moscou e o Ocidente, se agravaram, a fortificação da fronteira virou uma prioridade para Kiev.
A crise atingiu agora o pior momento: os países ocidentais acusam a Rússia de reunir mais de 100.000 soldados perto do território ucraniano para preparar uma eventual invasão.
Um olhar simples, no entanto, não permite detectar nenhuma presença do lado russo, nos campos cobertos por uma espessa camada de neve.

Trincheira
O oficial Mykola Férine mostra uma torre construída no topo de uma colina, equipada com um sistema de vigilância por vídeo, com um alcance de 10 quilômetros.
Como parte de um programa de reforço da segurança das fronteiras, iniciado em 2015, além da construção da cerca, uma trincheira foi cavada. E um pequeno bunker, equipado com aparelho de calefação, pode ser observado.
O posto fronteiriço vizinho de Goptivka, antes o principal ponto de passagem rodoviário para a Rússia, está tranquilo no momento, com poucos veículos saindo do território russo.
Com o recente agravamento das tensões, alguns se preparam para o combate. Durante o fim de semana, 20 civis participaram em um treinamento paramilitar organizado por um ex-combatente para aprender a usar um fuzil.

Related post

De cientistas a piloto de drones: novas profissões do agro estão mudando o Centro-Oeste

De cientistas a piloto de drones: novas profissões do…

A região é que tem a população que mais cresce no Brasil, e está atrelado a novas oportunidades
Governo federal e Fraport discutem situação do aeroporto de Porto Alegre

Governo federal e Fraport discutem situação do aeroporto de…

Cheias no RS alagaram o aeroporto Salgado Filho, que está fechado por tempo indeterminado
Lula diz que pode tentar a reeleição ‘para evitar que trogloditas voltem a governar’

Lula diz que pode tentar a reeleição ‘para evitar…

Petista afirmou, contudo, que há 'muita gente boa' para se candidatar e que reeleição não é primeira hipótese

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *