Voltar ao Início

Você está em:

Regime cubano tenta aplacar a ira da população

As manifestações populares foram contidas pela repressão policial, em sincronia com o bloqueio imediato do serviço de internet
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Centenas de protestos irromperam espontaneamente em cidades cubanas no domingo pelos mesmos motivos de sempre: apagões diários e escassez de alimentos, água potável e… liberdade. Consideradas as maiores desde as registradas em julho de 2021, quando milhares foram presos e condenados, as manifestações populares foram contidas pela repressão policial, em sincronia com o bloqueio imediato do serviço de internet pela empresa estatal de telecomunicações.

Desta vez, porém, o regime reagiu rapidamente para conter as demandas da população e sufocar os gritos de “fome”, “eletricidade” e “pátria e vida”: no dia seguinte, enviou caminhões com alimentos a Santiago de Cuba, o epicentro dos protestos. O presidente Miguel Díaz-Canel se disse pronto para atender "às reclamações do povo, ouvir, dialogar e explicar os esforços realizados para melhorar a situação".

Difícil será apaziguar os cubanos sobre o aumento de mais de 500% no preço do combustível em março, a inflação galopante e a crise econômica que desvaloriza o salário a tal ponto de valer menos do que uma caixa de ovos. Cerca de 70% dos aposentados vivem com pensões equivalentes a US$ 5 mensais (R$ 25), e os apagões afetam mais da metade da ilha e duram até 12 horas por dia.

Díaz-Canel culpou, como o esperado, os “inimigos da Revolução”, instalados em Miami, por incitarem os protestos. Artistas como Alejandro Sanz, Yotuel, Aymée Nuviola e Carlos Mussola gravaram vídeos, incentivando as manifestações e pregando o fim do regime.

"Cuba está nas ruas. A Revolução é um fracasso e vocês se fazem de cegos em benefício próprio. Nada presta na sua asquerosa Revolução, nem o sistema de saúde, nem a educação, nem a alimentação", escreveu o músico Randy Malcom, da banda Zona de Gente.

Bode expiatório
No mês passado, o então ministro da Economia, Alejandro Gil Fernández, foi demitido pelo presidente e serviu como bode expiatório, por tentar implementar reformas impopulares, como o aumento dos preços para conter o déficit fiscal. O regime, no entanto, atribuiu a saída a graves erros e ao início de uma investigação sobre corrupção, sem especificar as irregularidades cometidas pelo ministro.

Posts Relacionados

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Presidente da Argentina, Milei ofereceu apoio a Musk nos processos da Justiça brasileira em que o bilionário está sendo investigado

México pede suspensão do Equador na ONU

México pede suspensão do Equador na ONU

O objetivo da denúncia mexicana é "garantir a reparação do dano moral infligido ao Estado mexicano e a seus cidadãos", disse a ministra

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Ele não deu mais detalhes. Pouco depois, o Departamento de Estado dos Estados Unidos disse que não foi informado sobre os planos

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

A profundidade do terremoto, de acordo com a USGS, foi de 5 quilômetros abaixo da superfície -- uma profundidade considerada baixa

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Ele também afirmou que apoiar a Ucrânia é importante porque os russos estão recebendo ajuda para aumentar sua indústria de defesa

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

O primeiro-ministro de Israel é pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

A Guarda Revolucionária do Irã anunciou que sete de seus membros, entre eles três comandantes, morreram no bombardeio

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Os Estados Unidos optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza

pt_BRPortuguese