Voltar ao Início

Você está em:

Cientistas detectam genes que revelam aptidão para dormir pouco

Camundongos com a genética que leva à tendência para dormir menos desenvolvem menos características do Alzheimer
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em São Francisco, nos Estados Unidos, estudaram os genes associados à predisposição de um ciclo de sono mais curto — até 6 horas — e descobriram que, além de dar aptidão para dormir menos, eles reduzem as alterações cerebrais que levam ao Alzheimer.

O estudo foi realizado em camundongos e, por isso, precisa de novas etapas para uma confirmação dos efeitos em humanos. Ele foi publicado na revista "Cell iScience" e assinado por oito pesquisadores filiados à universidade americana.

Para chegar aos resultados, os autores criaram camundongos que tinham os genes do sono curto e também genes que levam a uma maior predisposição ao Alzheimer — doença neurodegenerativa causada pela morte progressiva de células do cérebro, prejudicando funções como memória, atenção, orientação e linguagem.

Eles descobriram que os camundongos com a genética que leva à tendência para dormir menos também desenvolviam muito menos características associadas ao Alzheimer. Vale esclarecer que pessoas que optam por ter um sono curto, mas não têm os genes, apresentam o efeito contrário: uma chance maior de desenvolver a doença neurodegenerativa.
"Existe um dogma na área de estudo de que todo mundo precisa de oito horas de sono, mas nosso trabalho confirma, até o momento, que a quantidade de sono que as pessoas precisam é diferente de acordo com a base genética", disse o neurologista Louis Ptacek, um dos autores da pesquisa.

Estágio inicial
Rosa Sancho, chefe de pesquisa da Alzheimer's Research do Reino Unido, não assina o estudo, mas comentou o artigo. Ela reforça que o "risco da doença de Alzheimer é uma mistura complexa de idade, estilo de vida e ambiente em que vivemos, bem como os genes que temos".

"Evidências crescentes apontam para uma ligação entre a má qualidade do sono e um risco aumentado de Alzheimer, mas é difícil separar causa e efeito", disse.
"Neste estudo, os cientistas usaram camundongos com características da doença de Alzheimer para medir o impacto que os genes associados a ciclos de sono mais curtos têm nas alterações cerebrais associadas à doença. Eles analisaram dois genes e, embora ambos os genes tenham efeitos ligeiramente diferentes, eles foram associados a uma redução nas características da doença", avaliou.
Trata-se de uma pesquisa "interessante, mas em estágio inicial", na opinião da pesquisadora britânica, e, por isso, é importante "ter cuidado para não extrapolar esses resultados para as pessoas".

"A ligação entre sono e demência é uma área importante e ativa de pesquisa e os cientistas estão fazendo progressos cruciais para desvendar o que pode ser um fator chave que afeta nosso risco de demência" - Rosa Sancho, chefe de pesquisa da Alzheimer's Research do Reino Unido.

Posts Relacionados

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Pacientes com a doença costumam não ser levados a sério. Mulheres têm seis vezes mais chances de desenvolver a síndrome

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Meninas estão entrando na puberdade mais cedo, possivelmente devido à exposição a poluentes atmosféricos

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Pesquisa analisou dados sobre as 20 principais doenças causadoras de morte. Resultado mostra influência de fatores biológicos

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

"Hormônio do estresse" ganhou fama de vilão, com vídeos nas redes sociais culpando um suposto desequilíbrio hormonal

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Os pesquisadores comprovaram a relação dos exercícios físicos com o desempenho cognitivo dos alunos

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

O remédio usado no tratamento contra a insônia, disponível no mercado há mais de 30 anos, ganhou protagonismo maior na última década, pela junção de

Como é feita a aplicação do balão intragástrico e para quem é indicado?

A Academia Mineira de Medicina de Minas Gerais alerta para a importância do diagnóstico precoce em casos de complicações com o balão gástrico, procedimento recomendado

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

Deslizar o dedo pela tela do celular enquanto conferimos fotos e vídeos é um hábito que pode consumir horas das nossas vidas

pt_BRPortuguese