Voltar ao Início

Você está em:

O papel do cérebro no sistema imune

Cérebro é como diretor da orquestra do corpo, mas o que sabemos de sua interação com o sistema imunológico?
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Cristina Koppel, neurologista do Kings College Hospital e professora do Imperial College London, na Inglaterra, acredita que “da mesma forma que estamos começando a entender as redes sociais e que o mundo está muito mais conectado, a mesma coisa acontece com a complexidade de uma rede de mensagens que o cérebro e o sistema imunológico transmitem um ao outro”.
Com a ajuda desses especialistas, exploramos o que se sabe sobre o papel do cérebro na resposta imune.

O comportamento
“No mundo clínico, no hospital, vemos muitos pacientes com problemas neuroimunológicos”, disse Koppel.

“E, na academia, sabemos que ambos os sistemas se comunicam - os mesmos transmissores podem falar com células imunes e células neuronais, mas ainda temos muito a descobrir.”
Anthony concorda que a relação entre o cérebro e o sistema imunológico é de mão dupla.
Se pegarmos gripe ou Covid-19, muitos de nós vão se sentir mal e mudar os comportamentos, que são descritos em pesquisas como “estereotipados”.
“Você interrompe seu sono e em seguida passa a não querer ver as pessoas ou socializar. Assim, começa a exibir toda uma série de comportamentos que são muito característicos de algo chamado ‘comportamento de doença’.”
“Você se torna anedônico, ou seja, deixa de fazer as coisas que gosta, as atividades hedonistas, como beber, comer doce, se divertir.”
Do ponto de vista evolutivo, explica o especialista, isso traz dois benefícios:

"Talvez ajude você a se recuperar da infecção. Mas, além disso, também envia um sinal para as pessoas ao seu redor ."
E isso é algo que você vê entre os animais, nos mamíferos em particular: quando estamos doentes, o cérebro altera nosso comportamento e começamos a priorizar o que fazemos.

"Quando você está resfriado, não começa a resolver problemas matemáticos complexos porque está cansado", diz Kipnis.
"Um animal se retira porque não quer infectar o rebanho, você também se afasta, não quer infectar a Terra".
O estresse
No Reino Unido, a cidade de Salisbury foi palco de uma série de experimentos no final dos anos 1980 e início dos anos 1990. Lá, um grupo de voluntários saudáveis ​​foi infectado com vírus do resfriado, com o objetivo de estudar a rapidez com que desenvolveram a doença e buscar tratamentos eficazes.
Ao analisar as respostas e a taxa de infecção, os pesquisadores concluíram que as pessoas que sofreram muito estresse tinham 20% mais chances de pegar um resfriado.

Posts Relacionados

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Meninas estão entrando na puberdade mais cedo, possivelmente devido à exposição a poluentes atmosféricos

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Pesquisa analisou dados sobre as 20 principais doenças causadoras de morte. Resultado mostra influência de fatores biológicos

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

"Hormônio do estresse" ganhou fama de vilão, com vídeos nas redes sociais culpando um suposto desequilíbrio hormonal

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Os pesquisadores comprovaram a relação dos exercícios físicos com o desempenho cognitivo dos alunos

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

O remédio usado no tratamento contra a insônia, disponível no mercado há mais de 30 anos, ganhou protagonismo maior na última década, pela junção de

Como é feita a aplicação do balão intragástrico e para quem é indicado?

A Academia Mineira de Medicina de Minas Gerais alerta para a importância do diagnóstico precoce em casos de complicações com o balão gástrico, procedimento recomendado

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

Deslizar o dedo pela tela do celular enquanto conferimos fotos e vídeos é um hábito que pode consumir horas das nossas vidas

4 maus hábitos que afetam a memória quando envelhecemos

4 maus hábitos que afetam a memória quando envelhecemos

A boa notícia é que a atividade física é a melhor garantia para a qualidade de vida de mulheres na meia-idade

pt_BRPortuguese