Voltar ao Início

Você está em:

Por que gritos e socos não conseguem aliviar a raiva

Desabafar a raiva pode parecer uma boa ideia, mas não há a menor evidência científica para apoiar a teoria da catarse
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Você fica com raiva, seu sangue ferve, todo o seu corpo fica tenso e você tem vontade de destruir o que está ao seu redor — enquanto grita, talvez alguns palavrões.

Isso quando não sente que pode enfrentar qualquer pessoa ou coisa que surgir em seu caminho.

Engolir tudo isso não pode ser bom… certo?
É melhor tirar isso de você. Essa catarse parece ser até mesmo útil. Como se você tivesse tirando o vapor de uma panela de pressão.

"Existe um mito comum de que liberar a raiva é uma forma produtiva de lidar com ela", aponta Sophie Kjærvik, autora de uma metanálise de 154 estudos sobre a raiva com mais de 10 mil participantes.

Os cientistas descobriram que liberar agressivamente a raiva para aliviá-la é muitas vezes contraproducente, já que pode intensificar e prolongar o sentimento.

O veredito é claro: desafogar a raiva com gritos e violência não é um passo em direção ao processamento saudável de emoções.

E, tendo em conta que, como diz o estudo, essa é "uma emoção desagradável da qual a maioria das pessoas quer se livrar" e que "de todas as emoções desagradáveis, é também a mais difícil de regular", encontrar a melhor forma lidar com isso é essencial.

Então, o que funciona?
Em termos mais simples, as técnicas que acalmam são as melhores para combater a raiva.

Vale a pena tentar qualquer coisa que reduza a excitação fisiológica, desde meditação, atenção plena (mindfulness) e ioga — ou simplesmente respirar ou contar até 10.

Por outro lado, nem todos os exercícios físicos têm o mesmo efeito.

"De acordo com a nossa metanálise, esportes com bola e aulas de educação física são realmente bons para reduzir a raiva. Acreditamos que isso ocorre porque eles introduzem um aspecto do jogo que induz emoções positivas."

“Há também um aspecto social, pois você interage com outras pessoas e talvez até recebe um retorno positivo do seu treinador.”

Em contrapartida, "achamos que correr tem um efeito negativo porque é mais monótono, é mais tedioso para muitas pessoas."

Posts Relacionados

Abraço, massagem e mais: contato físico pode ajudar a regular o hormônio do estresse

Abraço, massagem e mais: contato físico pode ajudar a regular o hormônio do estresse

Pesquisadores avaliaram os efeitos do contato físico. Toque é importante não só para bebês, mas também para adultos

‘Esquecer’ é tão importante quanto ‘lembrar’ para a longevidade da memória

‘Esquecer’ é tão importante quanto ‘lembrar’ para a longevidade da memória

Professor da UNESP explica que o cérebro não possui um ‘disco rígido’ onde as nossas lembranças são armazenadas

Pipoca é janta? Entenda quando o alimento é considerado saudável e pode ajudar na dieta

Pipoca é janta? Entenda quando o alimento é considerado saudável e pode ajudar na dieta

Fonte de fibras, a pipoca pode ser combinada com outros itens e formar uma refeição. Também é uma boa opção de lanche

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Pacientes com a doença costumam não ser levados a sério. Mulheres têm seis vezes mais chances de desenvolver a síndrome

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Meninas estão entrando na puberdade mais cedo, possivelmente devido à exposição a poluentes atmosféricos

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Pesquisa analisou dados sobre as 20 principais doenças causadoras de morte. Resultado mostra influência de fatores biológicos

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

"Hormônio do estresse" ganhou fama de vilão, com vídeos nas redes sociais culpando um suposto desequilíbrio hormonal

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Os pesquisadores comprovaram a relação dos exercícios físicos com o desempenho cognitivo dos alunos

pt_BRPortuguese