Voltar ao Início

Você está em:

Por que mesmo casos leves de Covid aumentam o risco de diabetes

Estudos mostram um aumento de 40% no risco de diabetes entre aqueles que foram infectados pelo coronavírus
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Pesquisas realizadas nos últimos meses apontam que os médicos endocrinologistas devem acrescentar a covid-19 como um novo fator de risco para o diabetes.

O último estudo a comprovar uma ligação entre a infecção pelo coronavírus e o desenvolvimento posterior dessa doença, marcada pelo descontrole das taxas de glicose, foi publicado recentemente no periódico especializado The Lancet Diabetes & Endocrinology.
Nele, cientistas do Centro de Epidemiologia Clínica do Sistema de Saúde de St. Louis e da Universidade Washington, nos Estados Unidos, compararam os dados de 181 mil indivíduos que tiveram covid entre março de 2020 e setembro de 2021 com os de 8 milhões de pessoas que não se infectaram com o coronavírus nesse mesmo período.
O diferencial dessa investigação é que os pesquisadores já tinham compilado as informações de saúde de todos esses participantes entre 2018 e 2019, antes de a pandemia começar. Na prática, isso permitiu estimar quantos casos de diabetes eram esperados a cada nova temporada — e como a covid-19 influenciou esse cenário.
Em resumo, os resultados mostram um aumento de 40% no risco de diabetes entre aqueles que foram infectados pelo coronavírus. De cada 100 participantes que pegaram covid, dois tiveram a enfermidade endocrinológica logo na sequência.
O médico Ziyad Al-Aly, autor principal da pesquisa, diz que se surpreendeu ao notar que esse risco foi observado mesmo nas pessoas que não tinham outros fatores de risco para o desenvolvimento de diabetes, como obesidade, doenças cardiovasculares ou histórico familiar.
"Outra coisa que não esperávamos é que a doença pode aparecer até mesmo nos pacientes com casos assintomáticos ou leves de covid-19", conta à BBC News Brasil.

Vale destacar que, no estudo em questão, o risco de ter diabetes foi maior nos quadros mais graves de infecção, mas essa relação também foi observada em indivíduos que pegaram o coronavírus e não desenvolveram incômodos tão sérios
A médica Hermelinda Pedrosa, ex-presidente do Departamento de Diabetes da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, que não participou do estudo americano, avalia que os resultados obtidos são mesmo suficientes para encarar a covid-19 como fator de risco adicional para o diabetes.
"Esses dados vêm de um trabalho muito bem feito, com uma metodologia robusta e uma comparação que levou em conta o histórico pré-pandemia e o diagnóstico de covid", elogia.
"As pessoas que tiveram covid devem ficar atentas e eventualmente até passar por uma avaliação médica, especialmente se já apresentam obesidade, hipertensão, colesterol alto, doenças cardiovasculares ou tem histórico familiar de diabetes", orienta a endocrinologista, que também coordena um dos polos de pesquisa do Hospital Regional de Taguatinga, no Distrito Federal.

Posts Relacionados

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Meninas estão entrando na puberdade mais cedo, possivelmente devido à exposição a poluentes atmosféricos

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Pesquisa analisou dados sobre as 20 principais doenças causadoras de morte. Resultado mostra influência de fatores biológicos

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

"Hormônio do estresse" ganhou fama de vilão, com vídeos nas redes sociais culpando um suposto desequilíbrio hormonal

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Os pesquisadores comprovaram a relação dos exercícios físicos com o desempenho cognitivo dos alunos

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

O remédio usado no tratamento contra a insônia, disponível no mercado há mais de 30 anos, ganhou protagonismo maior na última década, pela junção de

Como é feita a aplicação do balão intragástrico e para quem é indicado?

A Academia Mineira de Medicina de Minas Gerais alerta para a importância do diagnóstico precoce em casos de complicações com o balão gástrico, procedimento recomendado

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

Deslizar o dedo pela tela do celular enquanto conferimos fotos e vídeos é um hábito que pode consumir horas das nossas vidas

4 maus hábitos que afetam a memória quando envelhecemos

4 maus hábitos que afetam a memória quando envelhecemos

A boa notícia é que a atividade física é a melhor garantia para a qualidade de vida de mulheres na meia-idade

pt_BRPortuguese