Voltar ao Início

Você está em:

Remédio contra câncer pode ajudar a eliminar HIV

Pesquisa com pessoas com HIV indica que medicamento conseguiu induzir a saída do vírus que fica 'escondido' nas células
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Um medicamento usado no tratamento de vários tipos de câncer pode ajudar a eliminar o vírus HIV que fica latente dentro das células, aponta uma pesquisa publicada no fim de janeiro na "Science Translational Medicine".

A latência do HIV é um dos fatores que o tornam tão difícil de curar. Isso porque o vírus é capaz de ficar "dormente" (ou latente) dentro das células. Isso faz com que, mesmo que a carga viral da pessoa seja indetectável – e ela não transmita mais a doença –, seja dificílimo eliminar completamente o vírus do corpo
Na pesquisa divulgada em janeiro, cientistas americanos deram o remédio, o pembrolizumabe, a 32 pacientes que estavam em tratamento de câncer e, ao mesmo tempo, viviam com o HIV.

Os pesquisadores perceberam, então, que o remédio era capaz de reverter a latência do HIV – ou seja, "acordá-lo" de dentro das células para que fosse eliminado pela terapia antirretroviral (TARV), que os pacientes também faziam.
Os pesquisadores apontaram que os resultados confirmam o potencial de drogas como o pembrolizumabe de perturbar o reservatório do HIV – mas que mais estudos são necessários para avaliar a dose e a frequência do tratamento com esse tipo de droga para que a latência do HIV seja revertida.
O pembrolizumabe é um anticorpo monoclonal projetado para ajudar o próprio sistema imunológico do corpo a combater o câncer, bloqueando uma proteína conhecida como receptor de morte programada (PD-1). Ele serve para tratar diversos tipos de câncer – entre eles de esôfago, colorretal, cervical, alguns linfomas, pulmão, melanoma e certos tipos de câncer de mama.

Com os tratamentos antirretrovirais de hoje, a pessoa que vive com o HIV fica com carga viral indetectável, e, assim, não transmite a doença (indetectável = intransmissível, conforme usado por cientistas e instituições de referência sobre o HIV), mas eliminar completamente o vírus do corpo ainda é dificílimo, e só foi possível em pouquíssimos casos.

Posts Relacionados

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Pacientes com a doença costumam não ser levados a sério. Mulheres têm seis vezes mais chances de desenvolver a síndrome

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Meninas estão entrando na puberdade mais cedo, possivelmente devido à exposição a poluentes atmosféricos

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Pesquisa analisou dados sobre as 20 principais doenças causadoras de morte. Resultado mostra influência de fatores biológicos

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

"Hormônio do estresse" ganhou fama de vilão, com vídeos nas redes sociais culpando um suposto desequilíbrio hormonal

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Os pesquisadores comprovaram a relação dos exercícios físicos com o desempenho cognitivo dos alunos

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

O remédio usado no tratamento contra a insônia, disponível no mercado há mais de 30 anos, ganhou protagonismo maior na última década, pela junção de

Como é feita a aplicação do balão intragástrico e para quem é indicado?

A Academia Mineira de Medicina de Minas Gerais alerta para a importância do diagnóstico precoce em casos de complicações com o balão gástrico, procedimento recomendado

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

Deslizar o dedo pela tela do celular enquanto conferimos fotos e vídeos é um hábito que pode consumir horas das nossas vidas

pt_BRPortuguese