Voltar ao Início

Você está em:

Você sabe como o diabetes pode afetar sua audição?

Pacientes têm risco dobrado de surdez em comparação com indivíduos da mesma idade que não são portadores da doença
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Quando se fala em surdez, a associação com a velhice é imediata. E quando se fala em diabetes, logo vêm à cabeça complicações como o comprometimento da visão, renal ou neuropatias que provocam lesões nos pés. No entanto, a doença também afeta a audição, porque os níveis de açúcar no sangue podem danificar os nervos auditivos, que transmitem sinais do ouvido interno para o cérebro – é ali que os impulsos elétricos são “traduzidos” para o som que reconhecemos.

Pacientes diabéticos têm o dobro de chances de perder a audição, em comparação com indivíduos da mesma idade não portadores da doença. Quem tem pré-diabetes também apresenta um risco aumentado em 30% para surdez. Nesse estágio, os níveis de glicose no sangue estão mais altos do que o normal, mas não o suficiente para um diagnóstico de diabetes tipo 2, mas metade em tal condição acaba desenvolvendo a enfermidade. No Brasil, há cerca de 17 milhões de diabéticos e estima-se que, para cada doente, outras três pessoas estão ameaçadas de enfrentar problema similar.

O controle da glicemia é fundamental porque taxas muito baixas de glicose no sangue são igualmente prejudiciais à audição. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC em inglês), agência que traça as diretrizes de saúde nos EUA, alerta que alguns medicamentos para o controle do diabetes podem afetar a audição e recomenda que o paciente converse com o médico a respeito. A surdez é uma condição que se agrava gradualmente, e está associada a ansiedade, isolamento e depressão. Como tende a passar despercebida no início, é bom prestar atenção em alguns sinais:

1) Pedir com frequência para os outros repetirem o que acabaram de falar.

2) Ter a impressão de que as pessoas estão apenas murmurando, num tom de voz abaixo do habitual.

3) Dificuldade para acompanhar a conversa num grupo ou para ouvir o que é dito em lugares barulhentos.

4) Esforçar-se para entender o que é dito no telefone.

5) Aumentar o volume de aparelhos a ponto de incomodar quem está à sua volta.

Posts Relacionados

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Meninas estão entrando na puberdade mais cedo, possivelmente devido à exposição a poluentes atmosféricos

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Pesquisa analisou dados sobre as 20 principais doenças causadoras de morte. Resultado mostra influência de fatores biológicos

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

"Hormônio do estresse" ganhou fama de vilão, com vídeos nas redes sociais culpando um suposto desequilíbrio hormonal

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Os pesquisadores comprovaram a relação dos exercícios físicos com o desempenho cognitivo dos alunos

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

O remédio usado no tratamento contra a insônia, disponível no mercado há mais de 30 anos, ganhou protagonismo maior na última década, pela junção de

Como é feita a aplicação do balão intragástrico e para quem é indicado?

A Academia Mineira de Medicina de Minas Gerais alerta para a importância do diagnóstico precoce em casos de complicações com o balão gástrico, procedimento recomendado

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

O que acontece no seu cérebro quando você navega no celular

Deslizar o dedo pela tela do celular enquanto conferimos fotos e vídeos é um hábito que pode consumir horas das nossas vidas

4 maus hábitos que afetam a memória quando envelhecemos

4 maus hábitos que afetam a memória quando envelhecemos

A boa notícia é que a atividade física é a melhor garantia para a qualidade de vida de mulheres na meia-idade

pt_BRPortuguese