Voltar ao Início

Você está em:

Segurança de Lula que estava em grupo do golpe foi abrigado no Exército

Interlocutores do Comando dizem que o grupo do qual o tenente coronel fazia parte era formado por militares
Amanda Omura

Amanda Omura

O tenente coronel André Luis Cruz Correia, exonerado do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) após ter sido descoberto em um grupo golpista, foi abrigado pelo Comando do Exército. Correia atuava na segurança direta do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e estava em um grupo do qual também participava Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro.

A exoneração de Correia foi publicada no DOU (Diário Oficial da União) no dia 10 de agosto de 2023, assinada pelo secretário-executivo do GSI, Ivan de Sousa Corrêa Filho. A portaria tem validade a partir do dia 11 de agosto.

Dias antes, no entanto, já havia sido publicada no DOU a nomeação do tenente coronel no cargo de oficial no gabinete do comandante do Exército, general Tomás Paiva. A portaria, de 8 de agosto, é assinada pelo próprio comandante.

Procurada, a assessoria do Exército informou que a nomeação de Correia se deu por uma permuta de servidores. O GSI havia solicitado a requisição de um militar que estava lotado na Comunicação da Força. Para não haver desfalque, cedeu Correia.

Interlocutores do Comando afirmam que o grupo do qual o tenente coronel fazia parte era formado por militares da mesma turma. Até onde se apurou internamente, não há manifestações objetivas do ex-segurança de Lula em favor de golpe.

Apesar de a nomeação ser publicada assim, um porta-voz do Exército entrou em contato para esclarecer que Correia não foi classificado no gabinete do Comando, mas sim no Centro de Comunicação Social do Exército.

A apreensão do celular de Mauro Cid levou a Polícia Federal a descobrir que um segurança presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva estava em um grupo de WhatsApp com militares da ativa que defendiam um golpe de Estado e que faziam ameaças ao ministro Alexandre de Moraes.

O ministro do GSI, general Marcos Antonio Amaro dos Santos, confirmou a saída de Correia da segurança presidencial e disse que se trata de uma exoneração, não uma demissão. Ele também disse desconhecer a existência de um relatório da PF que indique que Correira estava em grupo golpista.

Posts Relacionados

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Ministro do STF diz ser preciso investigar se recursos públicos foram parar na ONG, que nega recebimento

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Presidente e governador participaram de cerimônia sobre construção de túnel entre Santos e Guarujá

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

A suspeita é de que assessores de Carlos Bolsonaro pediam informações para o ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

As Forças Armadas ganharam poder de polícia nos aeroportos, e nos portos a Marinha passou a monitorar os acessos

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

De acordo com a Controladoria, os resultados serão encaminhados às autoridades do estado e do município de São Paulo

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Suspensão da regra que desonerava líderes religiosos abriu novo capítulo de desgaste com equipe econômica

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

Como Brasil preside grupo de países, debates serão coordenados pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves

pt_BRPortuguese