Voltar ao Início

Você está em:

Só Brasil e Turquia têm inflação, juros e desemprego de dois dígitos

Último registro desta 'tríplice coroa' negativa no país tinha sido durante a recessão de 2016
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O Brasil é um caso raro de país com taxas de dois dígitos de inflação, juros e desemprego. Entre as grandes economias do mundo, apenas a Turquia vive tal situação, aponta levantamento feito pela agência de classificação de risco Austin Rating.

A Argentina e Rússia também estão no topo dos rankings das maiores taxas de inflação e de juros básicos do mundo, mas mantêm um desemprego abaixo de dois dígitos. Já a África do Sul e a Espanha possuem desemprego superior ao do Brasil, mas inflação e juros bem menores.
O levantamento reúne os dados mais atualizados de 23 países, que representam 81,4% do PIB global, além das taxas da zona do euro.

No Brasil, taxas de dois dígitos nos 3 indicadores não eram registradas desde a recessão de 2016. Considerando os dados oficiais desde 2012, quando começou a série atual da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), essa tríplice coroa' só ocorreu em 4 meses, segundo a Austin.

'Tríplice coroa' de taxas de dois dígitos no Brasil
Desde 2012, situação só ocorreu em 4 meses: fevereiro de 2016, fevereiro, março e abril de 2022.
"Essas 4 ocasiões foram as únicas vezes que houve 2 dígitos nos três indicadores. Agora neste ano que passou a ser recorrente", afirma o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, autor do levantamento.

Inflação
Já são 8 meses seguidos com a inflação anual acima dois dígitos o Brasil, segundo mostraram os dados do IPCA divulgados pelo IBGE. A Selic superou os 10% em fevereiro e foi elevada no último dia 4 de maio para 12,75% ao ano – maior patamar desde 2017. Já a taxa de desemprego ficou em 11,1% no 1º trimestre e se mantém em dois dígitos desde o final de 2015.

O que explica essa 'tríplice coroa'
Mais do que indicar uma situação econômica bastante ruim no Brasil, a conjunção de taxas de dois dígitos de inflação, juros e desemprego escancara os efeitos das sucessivas crises dos últimos anos e dos problemas estruturais da economia brasileira, que há anos vem registrando baixo crescimento.
“Temos no Brasil um problema tão crônico, tão estrutural, que a relação dessas variáveis sai do padrão técnico-econômico", afirma Agostini, destacando que a inflação e o desemprego costumam ter uma relação inversa. Ou seja, quando um aumenta, o outro diminui.
O economista explica que, embora a inflação tenha se tornado um problema global, puxada principalmente pela disparada dos preços da energia e de commodities, em países como os Estados Unidos ela também tem sido alimentada pela situação de praticamente pleno emprego.
"Nos Estados Unidos, há renda para absorver a alta da inflação. Então é natural que se tenha um juro também maior. Já no Brasil, a gente não tem um mercado de trabalho para absorver essa inflação alta e o juros tem que subir para combater essa inflação de custos", observa.

Posts Relacionados

Chuvas no RS: setor produtivo divulga primeiros balanços de prejuízos

Chuvas no RS: setor produtivo divulga primeiros balanços de prejuízos

Ainda sem dados mais robustos, entidades calculam impactos preliminares do desastre

IPCA: preços sobem 0,38% em abril, puxados por medicamentos e alimentos

IPCA: preços sobem 0,38% em abril, puxados por medicamentos e alimentos

Resultado veio acima das expectativas do mercado financeiro, que esperavam alta de 0,35% no mês

Câmara aprova projeto que incentiva geração de energia solar para atender baixa renda

Câmara aprova projeto que incentiva geração de energia solar para atender baixa renda

A proposta visa garantir o acesso à eletricidade para famílias em situação de vulnerabilidade social

Embraer aposta em conversão de aviões comuns em cargueiros para crescer no mercado

Embraer aposta em conversão de aviões comuns em cargueiros para crescer no mercado

De acordo com a Embraer, apesar do prejuízo líquido de R$ 63 milhões, esse resultado é otimista

Setor de máquinas agrícolas fatura 35% menos no trimestre, mas espera recuperação

Setor de máquinas agrícolas fatura 35% menos no trimestre, mas espera recuperação

Resultado é fruto de seca no campo, taxas elevadas e falta de créditos do governo no atual ciclo

Desemprego sobe a 7,9% no trimestre terminado em março, diz IBGE

Desemprego sobe a 7,9% no trimestre terminado em março, diz IBGE

Taxa cresceu 0,5 ponto percentual em relação ao período anterior e atinge 8,6 milhões de pessoas

Governo destina recursos de pesquisa para segurar alta na conta de luz

Governo destina recursos de pesquisa para segurar alta na conta de luz

Distribuidora que atua no estado do Norte do país deve aumentar tarifas em 34%

Governo propõe imposto parcial para picanha e outras proteínas de origem animal

Governo propõe imposto parcial para picanha e outras proteínas de origem animal

Equipe econômica enviou ao Congresso proposta para regulamentar reforma tributária

pt_BRPortuguese