Voltar ao Início

Você está em:

Supremo começa a julgar ação que questiona aumento do fundo eleitoral

Valor aprovado pelo Congresso e sancionado por Jair Bolsonaro é de R$ 4,9 bilhões, mas partido Novo quer baixar para R$ 2,1 bilhões
Amanda Omura

Amanda Omura

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar nesta quarta-feira (23) uma ação que questiona o aumento do fundo eleitoral. A verba, de R4 4,9 bilhões, foi aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro. É destinada aos partidos para financiarem a campanha política das eleições deste ano.

A ação é do Partido Novo, que argumenta que tem de ser mantido o valor de R$ 2,1 bilhões inicialmente proposto.

O relator é o ministro André Mendonça, que tomou posse no final do ano passado. Durante o recesso, ele decidiu enviar o caso diretamente ao plenário para que os demais ministros votem.

Para o fundo de 2022, inicialmente, o governo propôs R$ 2,1 bilhões - valor próximo ao da eleição de 2018. Mas o Congresso, com apoio dos partidos da oposição e aliados do governo, subiu para os atuais R$ 4,9 bilhões - valor sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

A sigla também afirma que a proposta de cálculo dos valores do chamado "fundão" não apresenta fonte de recursos para custear a despesa bilionária prevista, o que é inconstitucional.
O partido diz que há uma "intenção 'pessoalista' dos parlamentares" de aumentar o valor do fundo eleitoral.

Manifestações
Antes do julgamento, o governo, o Congresso Nacional e a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestaram pela rejeição da ação.

Para o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, a ação do partido não é a via processual adequada para tratar da questão. Segundo a Procuradoria, o Congresso atuou dentro de suas competências constitucionais e não ficou demonstrada inconstitucionalidade no caso.

Posts Relacionados

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Ministro do STF diz ser preciso investigar se recursos públicos foram parar na ONG, que nega recebimento

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Presidente e governador participaram de cerimônia sobre construção de túnel entre Santos e Guarujá

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

A suspeita é de que assessores de Carlos Bolsonaro pediam informações para o ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

As Forças Armadas ganharam poder de polícia nos aeroportos, e nos portos a Marinha passou a monitorar os acessos

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

De acordo com a Controladoria, os resultados serão encaminhados às autoridades do estado e do município de São Paulo

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Suspensão da regra que desonerava líderes religiosos abriu novo capítulo de desgaste com equipe econômica

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

Como Brasil preside grupo de países, debates serão coordenados pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves

pt_BRPortuguese