Voltar ao Início

Você está em:

Vacinação baixa e mortalidade materna em alta são desafios na saúde para presidente

Especialistas avaliaram os principais desafios a serem enfrentados pelo próximo governo
Amanda Omura

Amanda Omura

Independentemente de quem for escolhido no segundo turno pelos brasileiros para subir a rampa do Palácio do Planalto em janeiro de 2023, o próximo presidente do país encontrará, diante da mesa, situações preocupantes a lidar no que diz respeito à saúde — como uma queda drástica na vacinação de crianças, um orçamento para a área bem mais baixo do recomendado e um ministério remexido por uma grande alternância no comando nos últimos quatro anos.

De acordo com uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada no início de setembro, a saúde é a área mais importante para os brasileiros na hora de definir seu voto para presidente, seguida da educação.

Por isso, a BBC News Brasil buscou dados e especialistas na área para avaliar quais serão os principais desafios na saúde a serem enfrentados pelo próximo presidente em um país onde a maioria da população depende unicamente do Sistema Único de Saúde (SUS) — apenas 25,6% da população tem planos de saúde, segundo dados de julho da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

A queda brusca da cobertura vacinal contra várias doenças, alvo de alertas disparados neste ano por instituições como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), foi um dos problemas mais urgentes apontados pelos entrevistados.

Por exemplo, a vacina BCG, que previne contra a tuberculose e tradicionalmente tem alta taxa de vacinação por ser aplicada no primeiro mês de vida do bebê, não tem 100% de cobertura desde 2015. Segundo números do DataSUS, a partir de 2020, a cobertura ficou abaixo de 80%: foi de 75,6% em 2020 e 70,7% em 2021 (entretanto, dados mais recentes, de 2021 e 2022, estão mais sujeitos a alterações, por isso são considerados parciais).

A imunização contra a poliomielite teve 100% de cobertura pela última vez em 2013. Desde 2016, ficou abaixo dos 90%, chegando a 76,1% em 2020 e a 69,9% em 2021.

Com essa queda, a Opas colocou o Brasil como um dos países sob alto risco de volta da poliomielite. A tríplice viral D1, que previne contra o sarampo, caxumba e rubéola, também vem registrando constante diminuição, saindo da total cobertura em 2014 para 79,7% em 2020.

Posts Relacionados

Fechamento de polos de saúde por ameaça do garimpo deixou Yanomamis desassistidos

Fechamento de polos de saúde por ameaça do garimpo deixou Yanomamis desassistidos

Tribunal de Contas da União também aponta impacto sobre 'aumento expressivo de agravos e óbitos evitáveis'

Mortes na Amazônia Legal são 45% maiores; cidades mais violentas estão no PA e em MT

Mortes na Amazônia Legal são 45% maiores; cidades mais violentas estão no PA e em MT

Estudo indica taxa de 33,8 mortes violentas intencionais por 100 mil habitantes nos 9 estados da Amazônia

Expectativa de vida do brasileiro sobe para 75,5 anos após queda na pandemia

Expectativa de vida do brasileiro sobe para 75,5 anos após queda na pandemia

Estimativa antes da crise sanitária era de 76,7 anos em 2020 e de 77 anos em 2021 - e o esperado era que continuasse crescendo

Brasil x Argentina: Fifa abre investigação para apurar atos de violência no Maracanã

Brasil x Argentina: Fifa abre investigação para apurar atos de violência no Maracanã

Comitê de Disciplina da Fifa abre processo contra CBF e AFA pelos episódios no jogo da última terça pelas Eliminatorias Sul-Americanas

Dor terrível e até morte: o que pode acontecer com as ‘mulas’ do tráfico

Dor terrível e até morte: o que pode acontecer com as ‘mulas’ do tráfico

Risco de cápsulas de droga romperem dentro do organismo é altíssimo, explica especialista

Governo publica portaria que obriga distribuição gratuita de água em eventos

Governo publica portaria que obriga distribuição gratuita de água em eventos

Medida também determina rápido resgate aos espectadores que tiverem problemas de saúde

Especialistas explicam por que o Pantanal tem recorde de incêndios em época de chuva

Especialistas explicam por que o Pantanal tem recorde de incêndios em época de chuva

O fogo já consumiu mais de 1 milhão de hectares do Pantanal neste ano, o triplo do que foi registrado em 2022

O que é o ‘domo de calor’, fenômeno por trás dos recordes de temperatura no Brasil

O que é o ‘domo de calor’, fenômeno por trás dos recordes de temperatura no Brasil

A criação de uma área de alta pressão atmosférica aprisiona uma massa de ar quente e impede a chegada de nuvens densas

pt_BRPortuguese