Voltar ao Início

Você está em:

Voto brasileiro no Conselho de Segurança mostrará se Itamaraty conseguiu se blindar de política de Bolsonaro

Expectativa da Ucrânia é que o Brasil vote com os EUA a favor da resolução condenando os ataques sofridos pelo país
Amanda Omura

Amanda Omura

A posição do Brasil na reunião do Conselho de Segurança da ONU nesta sexta-feira (25) será ditada pelo Palácio do Planalto. Diplomatas envolvidos na negociação esperam uma posição técnica, em defesa do direito internacional e do cumprimento da Carta das Nações Unidas, que condena a invasão de território nacional por país estrangeiro – exatamente o que ocorre na Ucrânia por parte da Rússia.
Os Estados Unidos e a Albânia, integrantes do Conselho de Segurança, devem apresentar na sexta, em Nova York, uma resolução condenando a invasão. De acordo com fontes envolvidas no assunto, a expectativa é a de que a Rússia fique isolada, com os demais integrantes votando a favor da resolução.
A expectativa da Ucrânia é a de que o Brasil vote com os Estados Unidos no Conselho de Segurança na resolução, segundo informou o encarregado de negócios da embaixada da Ucrânia em Brasília, Anatoliy Tkach.
Para aprovar a resolução, são necessários 9 votos dos 15 integrantes do conselho. Mas a Rússia por ser membro permanente, ao lado dos EUA, Reino Unido, China e França, tem poder de veto. É possível que os chineses se abstenham da votação ou votem contra ela.

Pela tradição, o Brasil deveria condenar a invasão e seguir os demais países que tendem a tomar essa atitude no conselho. Mas o presidente Bolsonaro evitou na quinta (24) condenar os russos e desautorizou o vice-presidente Mourão, que criticou a invasão. Isso aliado ao fato de ter viajado a Moscou, ter se solidarizado com os russos, e de parte de sua base mais radical ser favorável a Putin coloca incertezas no horizonte.
O embaixador brasileiro no Conselho de Segurança, Ronaldo Costa Filho, tem pedido a aplicação do direito internacional e tem afirmado que o Brasil não é neutro nesse debate. O ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, no entanto, em entrevista ao blog da Andreia Sadi, disse que a posição brasileira não é de neutralidade, mas de “equilíbrio”. E criticou as cobranças feitas ao presidente Bolsonaro para que condene a invasão.

Ao manifestar o voto brasileiro, Costa Filho terá de expor seus argumentos. É quando ficará mais clara a posição brasileira sobre a questão, que sofrerá influência direta de Bolsonaro. Carlos França, mais pragmático que Ernesto Araújo, tem tentado se equilibrar entre a posição tradicional da diplomacia brasileira e as demandas político-eleitorais de Bolsonaro.

Posts Relacionados

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

A expectativa é que nessa linha de crédito as taxas de juros sejam a metade do que o Pronampe cobra

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

Orlando Silva tenta colocar projeto na pauta da Câmara, mas diz que tema polêmico e lobby das "big techs" atrapalham

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

Mecanismo tem sido chamado de 'SUS da Cultura' e promete facilitar o acesso aos financiamentos no segmento

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Com pagamento de aproximadamente R$ 20 bilhões, União terá direito a R$ 6 bilhões, valor que ajudará na meta fiscal

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Pacheco, presidente do Senado, declarou a perda de validade de trechos da MP editada pelo governo para elevar receitas

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Textos liberam garimpo em reservas, flexibilizam medidas contra incêndios e extinguem taxas que custeiam Ibama

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

Presidente francês passará por 4 cidades em 3 dias a partir da semana que vem; comitiva terá cerca de 140 empresários

Bloqueio no orçamento deve ser de menos de R$ 5 bilhões, diz Haddad a Lula

Bloqueio no orçamento deve ser de menos de R$ 5 bilhões, diz Haddad a Lula

Valor do bloqueio deve ficar em R$ 3 bilhões. Lula comemorou a notícia com os integrantes da equipe econômica

pt_BRPortuguese