Voltar ao Início

Você está em:

Quem vai tomar a vacina bivalente? Por que devemos tomar o reforço?

Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira (26) que a aplicação das vacinas de segunda geração começa no fim de fevereiro
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O plano de vacinação contra Covid-19 para 2023 foi divulgado nesta quinta-feira (26) pelo Ministério da Saúde. Pessoas que fazem parte de grupos de risco serão os primeiros a receber o reforço com os imunizantes bivalentes da Pfizer a partir do dia 27 de fevereiro.

1 - O que são as vacinas bivalentes?
O vírus SARS-CoV-2 vem sofrendo mutações desde o início da pandemia (e isso é normal). Atualmente, a variante dominante no mundo é a ômicron, bem diferente do vírus original.
A vacina monovalente (primeira geração) foi criada em cima da cepa encontrada em Wuhan, na China. Já a vacina bivalente (segunda geração) foi elaborada para oferecer uma proteção extra contra a ômicron e suas subvariantes.

2 - Quem vai poder tomar as vacinas bivalentes?
No Brasil, o reforço com a vacina bivalente começa por grupos mais expostos ao risco da doença e foi dividido em quatro fases, na seguinte ordem de prioridade:
Fase 1 - Com 70 anos ou mais, pessoas que vivem em instituições de longa permanência (ILP), imunocomprometidas, comunidades indígenas, ribeirinhas e quilombolas;
Fase 2 - 60 a 69 anos;
Fase 3 - Gestantes e puérperas;
Fase 4 - Profissionais da saúde.

Só poderá tomar o reforço com a vacina bivalente quem já tiver tomado ao menos duas doses das vacinas contra a Covid monovalentes, que estão sendo ofertadas no SUS desde 2021 (de qualquer laboratório);
Ou seja: quem só tomou uma dose até agora, vai ter que tomar ainda a segunda dose da primeira versão da vacina para estar apto a tomar a bivalente.
As vacinas bivalentes da Pfizer estão autorizadas para uso na população a partir dos 12 anos - a Anvisa ainda analisa o pedido para aplicação em crianças de 5 a 11 anos.

3 - Por que devemos tomar o reforço com a bivalente?
O objetivo do reforço com a vacina bivalente é expandir a resposta imune específica à variante ômicron e melhorar a proteção da população.
Dados preliminares apontaram que o reforço da bivalente gera uma forte resposta imune, aumentando substancialmente os níveis de anticorpos neutralizantes contra as subvariantes da ômicron.
E as monovalentes? Isso não significa que a vacina de primeira geração é ineficaz. As vacinas monovalentes ainda mantêm a efetividade contra a doença na forma grave e óbitos, desde que as doses sejam aplicadas conforme a recomendação do Ministério da Saúde.

Posts Relacionados

Governo divulga regras da tarifa social de água e esgoto, que deve começar a valer em dezembro

Governo divulga regras da tarifa social de água e esgoto, que deve começar a valer em dezembro

A lei entrará em vigor no dia 11 de dezembro de 2024, ou 180 dias após a publicação oficial desta manhã

Número de refugiados no Brasil aumenta 117% em 2023; venezuelanos e cubanos são maioria

Número de refugiados no Brasil aumenta 117% em 2023; venezuelanos e cubanos são maioria

Apenas no ano passado, 77.193 novas pessoas foram reconhecidas refugiadas pelo governo brasileiro

Senado deve votar regulamentação de cigarro eletrônico, apesar de Anvisa ter vetado

Senado deve votar regulamentação de cigarro eletrônico, apesar de Anvisa ter vetado

Senadores favoráveis argumentam que medida vai estabelecer regras para fiscalizar produto que é comercializado clandestinamente

Rodoviária de Porto Alegre reabre após ficar um mês fechada durante enchente

Rodoviária de Porto Alegre reabre após ficar um mês fechada durante enchente

Viagens interestaduais devem ser retomadas a partir do dia 13 de junho, de acordo com o governo do estado

Justiça proíbe derrubada de muro que dificulta acesso à praia no Pontal de Maracaípe

Justiça proíbe derrubada de muro que dificulta acesso à praia no Pontal de Maracaípe

Agência Estadual de Meio Ambiente deve comprovar se construção foi feita dentro do terreno privado

Nova carteira de identidade: três estados ainda não emitem documento

Nova carteira de identidade: três estados ainda não emitem documento

Previsão é de que Bahia, Roraima e Amapá comecem a emitir nova carteira de identidade ainda em junho

Litoral brasileiro: PEC das Praias pode ‘privatizar’ terrenos à beira-mar

Litoral brasileiro: PEC das Praias pode ‘privatizar’ terrenos à beira-mar

O texto no Senado foi discutido numa audiência pública. Ainda está longe de ser analisado por comissões e pelo plenário

Plano com metas da educação ‘caduca’ em julho; congresso deve prorrogar o atual

Plano com metas da educação ‘caduca’ em julho; congresso deve prorrogar o atual

Plano Nacional de Educação determina diretrizes, objetivos e estratégias para a política educacional a cada 10 anos

pt_BRPortuguese