Voltar ao Início

Você está em:

Por que a longevidade depende dos nossos relacionamentos

Para professor, envelhecer bem está associado às relações interpessoais, que funcionam como reguladores emocionais
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O Centro de Longevidade de Stanford realizou, nos dias 13 e 14, o Century Summit 2022, dedicado a discutir as melhores práticas para uma velhice ativa e prazerosa. Coube a Laura Carstensen, fundadora e diretora da instituição, a abertura do evento, entrevistando Robert J. Waldinger, psiquiatra, psicanalista e sacerdote zen. Além de professor da faculdade de medicina de Harvard, é diretor do Study of Adult Development, que está em seu 85º. ano e, desde 1938, acompanha alunos da universidade (e agora suas famílias) até o fim da vida. Esse monitoramento se tornou uma das mais abrangentes pesquisas sobre a construção de um envelhecimento de qualidade.

“Quem tem uma maior capacidade adaptativa se sai melhor, é uma questão de saber lidar com as dificuldades de uma forma positiva. O fato de sermos inteligentes não prediz o quanto seremos felizes, são outros atributos que contribuem para o bem-estar: nossa inteligência emocional, nossas amizades, a satisfação com nosso casamento ou envolvimento afetivo. Tudo gira em torno de relacionamentos”, afirmou Waldinger.
Um estudo voltado para mapear, na meia-idade, fatores que pudessem servir como preditores para a longevidade impressionou os pesquisadores porque não foram os índices de colesterol ou pressão que desempenharam papel mais relevante, e sim a qualidade dos relacionamentos: “as relações interpessoais são reguladores emocionais, funcionam como um anteparo. O isolamento nos faz pagar um preço terrível”, enfatizou. Para quem ainda tem dúvidas, levantamento realizado pela Universidade de Sapporo, no Japão, constatou que o quadro de saúde de pacientes com insuficiência cardíaca solitários apresentava resultados piores do que o de indivíduos sociáveis.

Waldinger também valoriza o que chama de “relações casuais”: as pequenas conversas com o atendente do café, o caixa do supermercado ou balconista da farmácia: “são interações que nos localizam socialmente, que nos dizem: ‘eu vejo você, eu reconheço você’”. Sobre fazer novos amigos, recomenda que sejamos proativos: “temos que nos aproximar, fazer a ponte na direção daqueles com quem desejamos nos conectar. Precisamos desenvolver nossa aptidão social”. Em janeiro, lança “The good life and how to live it: lessons from the world´s longest study on happiness” (“A vida boa e como vivê-la: lições do maior estudo mundial sobre felicidade”), em parceria com Marc Schulz, atualizando as conclusões do trabalho que dirige em Harvard.

Posts Relacionados

Abraço, massagem e mais: contato físico pode ajudar a regular o hormônio do estresse

Abraço, massagem e mais: contato físico pode ajudar a regular o hormônio do estresse

Pesquisadores avaliaram os efeitos do contato físico. Toque é importante não só para bebês, mas também para adultos

‘Esquecer’ é tão importante quanto ‘lembrar’ para a longevidade da memória

‘Esquecer’ é tão importante quanto ‘lembrar’ para a longevidade da memória

Professor da UNESP explica que o cérebro não possui um ‘disco rígido’ onde as nossas lembranças são armazenadas

Pipoca é janta? Entenda quando o alimento é considerado saudável e pode ajudar na dieta

Pipoca é janta? Entenda quando o alimento é considerado saudável e pode ajudar na dieta

Fonte de fibras, a pipoca pode ser combinada com outros itens e formar uma refeição. Também é uma boa opção de lanche

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Pacientes com a doença costumam não ser levados a sério. Mulheres têm seis vezes mais chances de desenvolver a síndrome

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Meninas estão entrando na puberdade mais cedo, possivelmente devido à exposição a poluentes atmosféricos

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Pesquisa analisou dados sobre as 20 principais doenças causadoras de morte. Resultado mostra influência de fatores biológicos

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

"Hormônio do estresse" ganhou fama de vilão, com vídeos nas redes sociais culpando um suposto desequilíbrio hormonal

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Os pesquisadores comprovaram a relação dos exercícios físicos com o desempenho cognitivo dos alunos

pt_BRPortuguese