Voltar ao Início

Você está em:

Acusações contra Trump não convencem eleitores

Quanto mais significativa a coleção de imbróglios legais de Trump, mais inabalável é a fé de seus seguidores em elegê-lo presidente
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Réu pela terceira vez em quatro meses, Donald Trump enfrenta agora a mais grave das acusações como ex-presidente dos EUA e favorito à indicação do Partido Republicano para recuperar a Casa Branca: a de conspirar para permanecer no poder apesar de ter perdido a eleição de 2020, conforme atestou o procurador especial Jack Smith.

Quanto mais significativa a coleção de imbróglios legais de Trump, mais inabalável é a fé de seus seguidores em alçá-lo novamente ao cargo de comandante-em-chefe do país.

A média das pesquisas reforça sua posição, com 37 pontos de vantagem sobre o maior rival republicano, o governador da Flórida Ron DeSantis. E a arrecadação de recursos infla a sua campanha.

As acusações anteriores, de fraude comercial e de manuseio de documentos confidenciais, não o prejudicaram diante do eleitor republicano. A mais recente, exposta em 45 páginas por Smith, põe o ex-presidente no centro de uma campanha ilegal, de “desonestidade, fraude e presunção” para bloquear a transferência de poder.

A contar pelas reações iniciais dos republicanos — muito semelhantes aos dois indiciamentos anteriores —, a acusação de conspirar contra a democracia dificilmente se reverterá contra Trump aos olhos de seus eleitores: o ex-presidente se aferra ao posto de perseguido, vítima de manipulação político-partidária e de um grande complô para minar a sua candidatura à Casa Branca em 2024.

O partido se mantém leal a Trump e o exime de responsabilidade, num sinal da forte influência que ele exerce sobre a sua base. “Por que eles não trouxeram esse caso ridículo há 2,5 anos? Eles queriam isso bem no meio da minha campanha, é por isso!” protestou o ex-presidente em sua rede social.

Sua campanha foi além, comparando falsamente as acusações do procurador, referendadas por um grande júri, à “Alemanha nazista na década de 1930 e outros regimes autoritários e ditatoriais”. A retórica virulenta prevalece na mídia sustentada pela extrema direita americana.

Posts Relacionados

Fogo avança sem controle na Califórnia

Fogo avança sem controle na Califórnia

Chamas anteciparam temporada de incêndios no estado dos EUA. Ventos e baixa visibilidade tornam esforços para apagar fogo 'inúteis'

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

pt_BRPortuguese