Voltar ao Início

Você está em:

Câncer em cactos: o que a doença em outras espécies pode nos ensinar

Um jardim criado numa universidade do Arizona, nos EUA, chama a atenção para outras espécies acometidas pelos tumores
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O câncer não é uma exclusividade dos seres humanos: outros animais, plantas, algas e até fungos também são acometidos pelo crescimento anormal e acelerado de células.

Essa é a premissa que guia o trabalho do biólogo Carlo Maley, diretor do Centro de Evolução do Câncer da Universidade Estadual do Arizona, nos Estados Unidos.

O especialista coordena um esforço internacional para entender como o processo que leva à formação das células tumorais acontece em diferentes espécies — para, quem sabe, encontrar maneiras de prevenir ou tratar melhor a doença em seres humanos.

Entre vários projetos de pesquisa, Maley também esteve envolvido na criação do jardim Endless Forms Most Beautiful (“Formas Infinitas de Beleza”, em tradução livre) — frase retirada do livro A Origem das Espécies, de Charles Darwin.

O espaço foi instalado em 2018 na área externa da instituição e traz diversos cactos com uma espécie de câncer.

Nesses organismos, a replicação descontrolada de células gera novas estruturas disformes — conhecidas como fasciações ou cristatas —, mas geralmente não levam à morte.

Essas diferentes formas de lidar com o câncer na natureza inspiraram o biólogo a desenvolver, ao lado de outros colegas da área, a chamada terapia adaptativa. O objetivo aqui é usar medicamentos em doses baixas e por um tempo curto, para apenas controlar o crescimento do câncer, e não tentar extirpá-lo do corpo, como proposto por todos os tratamentos disponíveis até agora.

Do ponto de vista prático, quais são as semelhanças e as diferenças entre o câncer que dá em plantas e aquele que se desenvolve no corpo de seres humanos?

Carlo Maley: Uma das similaridades, claro, é que as células cancerosas crescem fora de controle. Para a planta, isso é ruim, pois interfere na floração e na reprodução. Do ponto de vista evolutivo, é algo bem negativo, quase equivalente à morte em alguns casos. Em outros, isso deixa o vegetal grande e pesado.

Para os cactos, o câncer pode significar um crescimento de diferentes formas. E eles geralmente não morrem por causa disso.

A partir dessas observações, fizemos uma analogia inspiradora: há muitas espécies no planeta que podem ter câncer, mas não morrem por causa dele. E isso se tornou a base de nossa pesquisa: como gerenciar o tumor, de modo que passemos a conviver com ele, e não mais morrer por causa disso?

Na frente de nosso prédio na Universidade Estadual do Arizona, criamos um jardim de cactos afetados pelo câncer. A ideia é ilustrar que todas as formas de vida multicelular podem desenvolver tumores — e algumas não morrem. Ou seja, existem maneiras de manejar essa condição.

Posts Relacionados

‘Esquecer’ é tão importante quanto ‘lembrar’ para a longevidade da memória

‘Esquecer’ é tão importante quanto ‘lembrar’ para a longevidade da memória

Professor da UNESP explica que o cérebro não possui um ‘disco rígido’ onde as nossas lembranças são armazenadas

Pipoca é janta? Entenda quando o alimento é considerado saudável e pode ajudar na dieta

Pipoca é janta? Entenda quando o alimento é considerado saudável e pode ajudar na dieta

Fonte de fibras, a pipoca pode ser combinada com outros itens e formar uma refeição. Também é uma boa opção de lanche

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Fibromialgia atinge músculos e ligamentos e afeta até 7 vezes mais as mulheres

Pacientes com a doença costumam não ser levados a sério. Mulheres têm seis vezes mais chances de desenvolver a síndrome

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Meninas estão entrando na puberdade mais cedo, possivelmente devido à exposição a poluentes atmosféricos

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Mulheres vivem mais do que homens, mas com saúde pior, revela estudo

Pesquisa analisou dados sobre as 20 principais doenças causadoras de morte. Resultado mostra influência de fatores biológicos

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

Cortisol é mesmo o culpado por seus problemas de saúde?

"Hormônio do estresse" ganhou fama de vilão, com vídeos nas redes sociais culpando um suposto desequilíbrio hormonal

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Sedentarismo e sobrepeso em crianças afetam o desempenho na escola

Os pesquisadores comprovaram a relação dos exercícios físicos com o desempenho cognitivo dos alunos

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

Zolpidem: ‘Pacientes tomam 300 comprimidos por dia’

O remédio usado no tratamento contra a insônia, disponível no mercado há mais de 30 anos, ganhou protagonismo maior na última década, pela junção de

pt_BRPortuguese