Voltar ao Início

Você está em:

Ucrânia bombardeia região ocupada pela Rússia

Na segunda-feira (11), Kiev revelou plano de contra-atacar em regiões dominadas por forças russas e disse ter reconquistado vilarejo
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Em uma contraofensiva para tentar recuperar seus territórios, a Ucrânia bombardeou nesta terça-feira (12) a região de Kherson, no sul do país, atualmente sob domínio da Rússia. Ao menos sete pessoas morreram e quase 60 ficaram feridas, segundo anunciaram as forças de ocupação de Moscou.

Na segunda-feira (11), o governo ucraniano havia revelado planos de reconquistar territórios ocupados pela Rússia, no sul e no leste do país, utilizando armas e equipamentos que vêm sendo fornecidos ao país pelos Estados Unidos e por países europeus.

Foi o que aconteceu no ataque desta terça-feira, segundo a vice-comandante da administração das forças de ocupação russas em Kherson, Ekaterina Gubareva. Gubareva confirmou o balanço de sete mortos e acusou as forças ucranianas de de terem utilizado o sistema americano de lançadores de foguetes múltiplos HIMARS.
"Está claro que foi um ataque deliberado, violento e cínico com mísseis de alta precisão. Aqui não há alvos militares (…) armazéns foram atingidos, assim como lojas, uma farmácia, postos de gasolina e até uma igreja", disse o comandante da administração cívico-militar instalada pelos russos na região de Kherson, Vladimir Leontiev.
A Ucrânia não falou em número de mortos e afirmou que atacou alvos militares em Nova Kakhovka, com um balanço de 52 militares russos e um depósito de munições destruído.

Imagens divulgadas pelas autoridades de ocupação mostram vários edifícios destruídos. "Dezenas de casas foram atingidas (…) estamos retirando as pessoas dos escombros", declarou Leontiev. "É uma tragédia terrível. O número de vítimas vai aumentar porque a magnitude dos danos é enorme".

O exército ucraniano investe na contraofensiva na região de Kherson aproveitando que a maior parte das tropas russas está mobilizada no Donbass, leste da Ucrânia. Localizada no sul do país, Kherson faz fronteira com a Crimeia, região anexada por Moscou em 2014.
Na segunda-feira (11), Kiev afirmou que conseguiu recuperar território e se aproximou de Kherson, que tem 290.000 habitantes, mas ainda não conseguiu avançar profundamente na área de defesa russa.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese